sexta-feira, 13 de outubro de 2017

SOS RIO FANADO. MOVIMENTO DE LUTA PELA RECUPERAÇÃO DO RIO FANADO

Os Municípios de Minas Novas, Turmalina, Capelinha e Angelândia precisam resolver a questão do saneamento básico em seus limites.


O Movimento SOS FANADO, luta pela revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio Fanado. O rio sofre com grande despejo de esgoto, em diversos pontos da área urbana e rural. O objetivo é alertar a comunidade e autoridades em relação ao atual descaso que um assunto tão importante vem sendo tratado.

Esgoto jogado no Rio Fanando em Minas Novas



O acesso à água potável e ao saneamento básico foram reconhecidos como direito do ser humano pela Organização das Nações Unidas. A resolução declara que “o direito a uma água potável, limpa e de qualidade e a instalações sanitárias é um direito humano, indispensável para gozar plenamente do direito à vida”.

Foto: SOS Fanado/Divulgação






















A coleta e o tratamento de esgoto têm sido deixados de lado por sucessivos governos. A inexistência de rede de distribuição de água potável, associada à falta de coleta e de tratamento de esgoto, cria um ambiente insalubre que propicia o desenvolvimento de doenças fatais.

Tratase de doenças toxicológicas causadas pela contaminação por substâncias químicas vindas de causas e produtos diversos, que são lançados diariamente nos rios e nos esgotos a céu aberto da nossa cidade, com impactos diretos à saúde da população.

Foto: SOS Fanado/Divulgação





























Infelizmente, nossos governantes ainda têm uma visão míope sobre a questão do saneamento básico. A sociedade civil precisa estar alerta para o problema toxicológico causado pela falta de coleta e tratamento de esgoto, além do dano ambiental incalculável produzido nos rios, sendo as entidades gestoras gritantemente omissas em relação ao assunto.

Até quando o nosso Rio vai aguentar? Convivemos com esse crime ambiental há décadas, aguardando soluções, e o que vemos é o descaso e a irresponsabilidade prevalecer.

A solução do problema é possível: Vistorias de vazamentos, instalação de fossas sépticas, fossas com filtro anaeróbico, sumidouros, lagoas de estabilização, Estações de tratamento, de estágios preliminar, primário, secundário e terciário.

Agentes comunitários devem orientar a população sobre os cuidados nos domicílios necessários para o despejo regular dos dejetos e o controle do lixo, com descontaminação da água destinada ao consumo.

A população fanadeira está revoltada, decepcionada e indignada com o descaso, com a ausência de soluções, com a falta de ações efetivas, com o pagamento de uma taxa (de esgoto) que não gera nenhuma contraprestação social.

Foto: SOS Fanado/Divulgação







































Para evitar este tipo de prejuízo ambiental, é imprescindível que seja feita a coleta adequada de esgoto doméstico, com tratamento adequado a cada tipo de efluente, seguido do depósito correto deste esgoto tratado, de acordo com a legislação ambiental vigente.

Paralelamente, é essencial realizar também a manutenção correta da rede de esgoto, evitando vazamentos e desvios impróprios. Apesar de representar uma postura inicial e depender de trabalho contínuo, práticas como essas são algumas das importantes para garantir a defesa do meio ambiente e a preservação da saúde e do bemestar de pessoas e animais.
Todas as diretrizes para a resolução da questão, já são palpáveis e de conhecimento do homem, cabendo a cada órgão responsável pela questão adotar as medidas pertinentes em caráter de urgência.

Os Municípios de Minas Novas, Turmalina, Capelinha e Angelândia precisam resolver a questão do saneamento básico em seus limites, notadamente nas margens do Rio Fanado, que é o mais importante bem natural da região e está em fase de decadência total.
O movimento solicita que sejam tomadas as devidas providências efetivas junto aos gestores municipais e estaduais da questão.

Acesse as páginas do movimento:




Via Jornal dos Vales

terça-feira, 13 de junho de 2017

TJMG - Divulgado editais para seleção de estagiários para Comarca de Minas Novas-MG. 07 Vagas e Salários de até R$1.570,50, mais auxílio-transporte

Serão ofertadas 06 vagas para estudantes de Graduação em Administração (04 vagas), Serviço Social (01 vaga) e Ciências Contábeis (01 vaga)
Foram divulgados dois editais para seleção de estagiários de Graduação e pós-graduação em diversas áreas, para trabalhar no Fórum da Comarca de Minas Novas. 
As inscrições, gratuitas, em ambos os editais, serão de 13 a 23 de junho de 2017.

Edital 01/2017 - Para baixar o edital, clique aqui

Para o Edital 01/2017, serão disponibilizadas 06 (seis) vagas:
a) 04 (quatro) vagas a serem preenchidas por estudante que esteja cursando Administração (no mínimo 03º período);
b) 01 (uma) vaga a ser preenchida por estudante que esteja cursando Serviço Social (no mínimo 03º período);
c) 01 (uma) vaga a ser preenchida por estudante que esteja cursando Ciências Contábeis (no mínimo 03º período);

O estagiário fará jus ao recebimento de bolsa equivalente a R$1.047,00 (mil e quarenta e sete reais), mais 10% de auxílio-transporte, em pecúnia, do valor da bolsa de estágio.


Edital 02/2017- Para baixar o edital, clique aqui

Para o Edital 02/2017, será disponibilizada 01 (uma) vaga, a ser preenchida por estudante que esteja cursando pós-graduação com especialização na área de Direito, exclusivamente e que seja Bacharel em Direito, até o ato da homologação da seleção pública.

1.4 O estagiário fará jus ao recebimento de bolsa equivalente a R$1.570,50 (mil quinhentos e setenta reais e cinquenta centavos), mais 10% de auxílio-transporte, em pecúnia, do valor da bolsa de estágio.


DAS INSCRIÇÕES

3.1 As inscrições serão realizadas no período de 13 a 23/06/2017:
a) Pessoalmente, na Secretaria do Fórum Tito Fulgêncio, das 12h às 17h (horário de Brasília), situado à Rua Cel. José Bento Nogueira, s/nº, Centro, Minas Novas-MG;
b) Pela internet, através do formulário disponível no link:

Para o edital nº 01/2017 (seis vagas)

Para o edital nº 02/2017 (uma vaga)

A carga horária para a realização do estágio é de 30 (vinte) horas semanais, com jornada diária de 6 (seis) horas.

A prova será realizada no dia 09/07/2017, das 08h às 12h, no salão do tribunal do júri do fórum da comarca.

Maiores Informações (33) 3764-1136 - Fórum de Minas Novas-MG

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Primo de Aécio Neves tinha propriedade milionária em Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha

Fred faz parte do círculo íntimo dos Neves há mais de 20 anos e ganhou benefícios do governo de Minas
Preso na última semana depois de ser flagrado pela Lava-Jato carregando malas de dinheiro da JBS para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), Frederico Pacheco é primo distante do tucano. Mas a relação de confiança e a cumplicidade estabelecida em mais de 20 anos com o parente sempre o colocou no círculo mais íntimo dos Neves. Nos anos 90, Pacheco era sócio do então marido de Andrea Neves em uma empresa de comunicação, relação que se fortaleceu quando virou secretário parlamentar na Câmara dos Deputados presidida por Aécio (2001 e 2002).

A eleição do tucano ao governo de Minas, em 2003, elevou-o ao cargo de secretário-adjunto de Estado, sob tutela de Danilo de Castro, o principal operador político dos anos Aécio. Esteve no cargo até 2006, quando assumiu o posto de secretário-geral do governador (2007-2010). Sua função era cuidar da agenda do tucano.

Dados oficiais apontam que seu salário no governo variou entre R$ 7,5 mil e R$ 10 mil. Mas ele, segundo O GLOBO apurou, enriqueceu plantando eucalipto no norte de Minas e sendo beneficiário de um programa do próprio governo, na mesma época em que era secretário de Aécio.

No estacionamento da JBS, Mendherson, assessor do senador Zeze Perrella, recebe a mala das mãos de Fred. Os dois foram flagrados pela PF - Agência O Globo

Pacheco recebeu de graça mudas, insumos e assistência técnica para plantar eucalipto em sua fazenda por meio de uma ONG credenciada no estado para realizar projetos de reposição florestal, financiados por isenção fiscal da indústria madeireira.

Em seu primeiro ano no cargo, ele investiu R$ 33 mil na compra de um terço de fazenda da Agropecuária Rancho do Campo, localizada em Minas Novas, na região do Vale do Jequitinhonha. Dez anos depois, ele vendeu por R$ 2,4 milhões sua participação a um grupo de investidores.

A ONG Apflor, que plantou eucalipto de graça na fazenda, funcionava no mesmo de endereço de outra empresa de Frederico, a Tropical Timber Agro-Florestal, que também investiu na produção de eucalipto. O gestor da ONG, Ricardo Vilela, confirmou ter realizado projetos de reposição florestal na fazenda de Pacheco. Segundo ele, os investimentos da ONG em várias propriedades implicaram em renúncia fiscal para empresas equivalente a R$ 29 milhões, entre 2004 e 2010.

No seu período no governo, Pacheco adquiriu outras cinco propriedades rurais, algumas delas em sociedade com Frederico Lodi, dono da Topus Construtora, fornecedora do governo de Minas. Entre 2005 e 2013 a empresa recebeu R$ 61 milhões em contratos com o estado. Lodi não retornou os contatos do GLOBO. Pacheco comprou ainda, no período, pelo menos 1,4 mil cabeças de gado, investiu em café e na aquisição de terrenos em Cláudio (MG), sua terra natal. Lá ele construiu fazenda vizinha à de Aécio Neves, com cave e campo de futebol. O defensor de Pacheco, Ricardo Ferreira de Melo, informou não se posicionar sobre o cliente, por não conhecer nem mesmo “a decisão que decretou a custódia cautelar".

Por meio de nota, a assessoria do PSDB de Minas informou nesta segunda-feira que "programas de incentivo à atividade de cultivo florestal não atenderam a um produtor específico", e geraram "centenas de empregos, garantindo a reposição florestal no Estado". A assessoria não comentou eventual conflito de interesses de Pacheco ao exercer o cargo de secretário-adjunto de Estado e ser beneficiado por programa sob gestão do Executivo.

Em 2011, Aécio passou o bastão à Anastasia e Pacheco virou diretor de gestão empresarial da Cemig, estatal de energia. Coordenador financeiro de Aécio na disputa de 2014, cuidava de questões práticas e de logística, principalmente envolvendo dinheiro.


Em raro momento de aparição em frente às câmeras, Pacheco aparece cantando ao lado de Aécio, em uma roda de viola, a música preferida do tucano, “Tocando em frente”, de Renato Teixeira. Gravado em 2006, o vídeo está no YouTube. “Ando devagar, porque já tive pressa/ Levo esse sorriso, porque já chorei demais (...) Todo mundo ama um dia/Todo mundo chora/Um dia a gente chega/E no outro vai embora”, diz a canção.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Eliezer Gonçalves Lança Novo Clipe "Aqui Abaixo do Sol", Gravado no Vale do Jequitinhonha

Para os amantes da musica feita no Vale do Jequitinhonha existe uma opção nova, um moço que vem fazendo musica com a nova cara musical do vale, Eliezer Gonçalves é de Coronel Murta e já falamos dele aqui no Blog (ver aqui), mas dessa vez ele esta de produção nova e vídeo clipe novo.

Eliezer acaba de gravar um vídeo clipe da musica "Aqui abaixo do sol" que está em seu primeiro trabalho, clipe gravado em terras do Jequitinhonha, entre Coronel Murta e Rubelita.

Acompanhe o novo clipe musical:


Eliezer Gonçalves tem feito shows pelo Vale, pela capital mineira Belo Horizonte e atualmente esta tocando por países da América Latina. Há um mês, gravou seu novo trabalho intitulado "O moço" onde ele mostra a nova roupagem das suas composições, sua textura intimista e profunda tem chamado atenção dos ouvintes e promete continuar nesse caminho.

Em breve teremos show dele pelo Vale. Por enquanto, podem escutar suas musicas em todas as plataformas disponíveis, bem como acompanhar sua trajetória pelo seu facebook.

Acompanhe o Novo CD:


Vídeo Clipe Clique Aqui

Disco Novo  Clique Aqui

sexta-feira, 5 de maio de 2017

MINAS NOVAS E JOSÉ GONÇALVES DE MINAS JÁ CONTAM COM A COBERTURA DA OPERADORA VIVO

Operadora Vivo já estava funcionando em vários distritos, comunidades rurais e sedes municipais do Vale do Jequitinhonha. Meta é expandir para outros municípios.

Por Bernardo Vieira, Blog do Jequi

Minas Novas e José Gonçalves de Minas, ambas do Vale do Jequitinhonha, já contam desde o início deste mês (maio-2017) com o sinal de celular da operadora Vivo. Os distritos e algumas comunidades rurais destes municípios já possuíam cobertura da Vivo. Agora, o sinal já atinge as sedes dos municípios.

Edifício Sobradão, em Minas Novas-MG
Ainda em fase de testes, os usuários já podem experimentar o sinal da operadora. Por não ser oficial o seu lançamento, pode ser que o sinal pare por algum momento, apesar de ser raro.

A cobertura oferecida, segundo a operadora, é de 3G e 4G. A população será beneficiada com a tecnologia, que possui velocidade de conexão de internet mais rápida do que a oferecida atualmente pela operadora TIM, que ainda opera somente com 2G em Minas Novas, por exemplo.

A Vivo, que atualmente lidera o mercado de internet móvel 4G no Brasil, com 36,9% dos mais de 13 milhões de usuários brasileiros de redes LTE, fazendo seus acessos por meio dos planos de dados da empresa. Considerando o serviço 4G como algo “estratégico”, a companhia afirmou já ter investido R$ 3,2 bilhões apenas com a aquisição de licenças em leilões promovidos pela Anatel nos últimos anos.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

MPF denuncia prefeito de Minas Novas (MG) e mais sete pessoas por fraude licitatória e desvio de recursos públicos

As verbas eram destinadas a custear o transporte de alunos da rede municipal de ensino
MPF denuncia prefeito de Minas Novas (MG) e mais sete pessoas por fraude licitatória e desvio de recursos públicos
Foto ilustrativa: imagemiStock
O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia contra Gilberto Gomes de Sousa, prefeito do município de Minas Novas (MG), Maria Lina Silva Guedes, secretária de educação do município, Odair José Barbosa, pregoeiro do município e Didalmo Ferreira dos Santos, Antônio Henrique Barbosa, Eduardo Helber Costa dos Santos, Roberto Virgens Moura e Ana Karoline Adolfo da Silva. Eles são acusados de desviar recursos públicos federais do  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate) em  fraudes de licitações e superfaturamento de contratos.

Em 2013, o prefeito celebrou contratos de licitação com as empresas Transcoob e Transcops, presididas por Roberto Virgens de Moura e Ana Karoline Adolfo da Silva, respectivamente, para o transporte diário de alunos da rede pública do município. Durante a investigação, ficou constatado que o prefeito e os demais denunciados subcontratavam por meio das cooperativas os mesmos profissionais que já faziam o transporte escolar no município. Ao fazê-lo, contudo, aumentavam significativamente o preço do serviço, pois as rotas percorridas eram bem menores em relação àquelas licitadas e pagas às empresas.

Os peritos do Ministério Público de Minas Gerais também identificaram restrição do caráter competitivo da licitação devido à inclusão de cláusulas restritivas. Entre as exigências estavam: a obrigatoriedade de possuir pessoa jurídica especializada no ramo do objeto licitado, comprovação de profissional de administração no quadro técnico permanente do licitante e apresentação de 40% da frota para vistoria pelo chefe do setor de transportes de Minas Novas. Estas cláusulas impossibilitaram a participação de pessoas físicas e empresas de pequeno porte que já prestavam serviços de transporte escolar à prefeitura do município.

Além do caráter restritivo de competitividade, também apurou-se que a distância em quilômetros nos termos do edital e contrato divergiam da distância efetivamente percorrida pelos motoristas da empresa contratada com o objetivo de elevar os custos contratuais e, assim, permitir o desvio de recursos públicos. Conforme apurado em auditoria, os valores pagos indevidamente a mais às cooperativas Transcoob e Transcops nos anos de 2013, 2014 e 2015 somam R$1.755.182,76.

O MPF pede condenação dos denunciados nas penas previstas nos art. 90 da Lei 8.666/93 e artigo 1º, inciso I, do Decreto-lei 201/67, a decretação de perda de cargo e a inabilitação do prefeito pelo prazo de cinco anos para exercício de cargo ou função pública, eletivo ou de nomeação; e a fixação do valor mínimo da indenização pelos danos causados ao município, no valor de R$ 1.643.590,08. 

A denúncia aguarda recebimento pelo Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1).

Processo n. IP n. 0017346-37.2016.4.01.0000/MG

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal
Procuradoria Regional da República - 1ª Região
Tel.: (61) 3317-4583
No twitter: mpf_prr1

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Leme do Prado/MG: Após pressão popular, vereadores desistem de aumento de salário para R$4300,00

Aumento em mais de 22% já valeria para o próximo ano. Salário sairia de R$3.500,00 para R$4.300,00.

A Câmara Municipal de Leme do Prado-MG, Vale do Jequitinhonha, votou no dia 04/10/2016 o Projeto de Resolução n. 02/2016, que previa aumento de 22% nos salários dos vereadores para a próxima legislatura, em 2017.

Revoltados com o elevado aumento, moradores criaram em uma rede social o grupo “Não à corrupção em Leme do Prado” (ver aqui). Segundo relatos de alguns membros, o aumento, além de imoral é ilegal. Isso porque, segundo o artigo 28, §1º, da Lei Orgânica Municipal (ver aqui), “A remuneração de que se trata este artigo deverá ser fixada até o dia 30 (trinta) de agosto do último ano da legislatura e será admitida a atualização dos valores conforme índice de inflação do Governo Federal”. Ou seja, a votação, que ocorreu em 04/10/2016, foi posterior à data limite, de 30/08/2016.


Resolução n. 02/2016, que previa o aumento dos Vereadores. 
Fonte: Divulgação Facebook. Clique para ampliar

Outro ponto polêmico foi quanto ao quórum da votação. Segundo a citada Lei Orgânica Municipal, para aprovação do reajuste salarial, obrigatoriamente, conforme determina o artigo 28, deveria ter a maioria absoluta, o que não houve. Votaram a favor da aprovação da Resolução 4 vereadores, sendo eles: Benedito Celestino Esteves (Bené), Gilvan Nunes Xavier (Russo), Geraldo Magela Figueiredo (Magela) e Marcelo Alvimar Pereira Barroso. Votou contra o aumento o vereador José Geraldo Figueiredo (Deca). Houve três ausências: Alan Henrique Figueiredo Barroso, Alexandre Severino Santos (Xanda) e Juvenal de Oliveira Rocha.

Após a pressão popular, os vereadores voltaram atrás e no último dia 26/10/2016, em sessão extraordinária, a Câmara Municipal revogou a resolução, mantendo o salário em vigor, de R$3500,00.


Em contato com a Câmara Municipal por e-mail informado na página desta (ver aqui), esta não se manifestou.

Por Bernardo Vieira, Blog do Jequi

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

MINAS NOVAS SEDIARÁ O "I ENCONTRO DE FLAUTAS DO JEQUITINHONHA", NOS DIAS 05 E 06/11


O I ENCONTRO DE FLAUTAS DO JEQUITINHONHA - AS BANDAS DE TAQUARA será a primeira reunião de todas as sete bandas de taquara dos municípios de Minas Novas, Capelinha e Angelândia, atualmente em atividade. O evento contará com apresentações musicais; oficinas de dança, confecção de instrumentos musicais e máscaras usadas nas bandas; rodas de conversa; e feira de artesanato e produtos agrícolas.

Realização: ASPOQUI (Associação Quilombola de Quilombo)
Parceria: Programa Canta Minas (Rádio Aranãs, de Capelinha)
Apoio: Café Aranãs, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Minas Novas, Ampliar, Fazenda Água Limpa, Casa da Cultura de Capelinha e Madercap
Patrocínio: CODEMIG

Banda de Taquara de Santo Antônio do Fanado. Foto: Daniel Magalhães (2010)

Evento Facebook, clique aqui
Página Facebook, clique aqui

PROGRAMAÇÃO

SÁBADO, 5/11

8:00 Café da manhã de boas vindas

9:00 Apresentação musical
Banda de taquara de Santiago/Quilombo

9:30-11:00 Oficina de confecção de flautas (canudos)
Manoel Moreira (Quilombo), Simeão Rodrigues (Santiago)

11:00-12:00 Demonstração de confecção de caixa
Mestre Antônio Bastião (Minas Novas)

13:30 Apresentação musical
Banda de Taquara de Santo Antônio dos Moreiras

14:00-16:00 Vivência: reflexões sobre alimentação e o brincar na infância (direcionado a mães e educadores)
Adelsin/Viviane Fortes (Brincantes)

14:00-14:30 Manejo de cera de abelha (usada na confecção de flautas e outros fins)
Tião Chaves (Santo Antônio dos Moreiras)

14:30-16:30 Oficina de confecção de careta (máscaras usadas nas bandas de taquara)
Antônio Rodrigues Pereira (Ramos)
Juarez Pacheco (Ramos)

14:30-16:30 Oficina de confecção de flautas (canudos)
Antônio Luís (Santo Antônio dos Moreiras), José Francisco (Santo Antônio dos Moreiras)

16:30-18:00 Oficina de danças com o Grupo de danças regionais do Buracão/Tibuna

18:00 Apresentação musical
Banda de taquara Antiga Geração e Boi Bumba

19:30 Leilão

20:30 Baile regional

DOMINGO – 6/11

8:00-9:30 Oficina de confecção de flautas (canudos)
Teresino dos Anjos (Sapé), Gabriel Moreira (Sapé), Geraldo Lopes

9:00-11:00 Vivência de brincadeiras (direcionado para crianças)
Adelsin/Viviane Fortes (Brincantes)

9:30 Apresentação musical
Banda de taquara da Bem Posta

10:00-11:30 Roda de conversa: Bandas de taquara, patrimônio cultural e direito quilombola
Rafael Barros (Ministério Público de Minas Gerais)
Alessandro Borges (Presidente da Coquivale – Comissão das comunidades quilombolas do Médio Jequitinhonha)
Maria dos Anjos Soares (Aspoqui – Associação Quilombola de Quilombo)
Daniel de Lima Magalhães (Coordenador do I Encontro de Flautas do Jequitinhonha)

11:30 Apresentação musical
Banda de taquara do Sapé/Timirim

13:00 Apresentações musicais
Banda de taquara de Santo Antônio do Fanado
Banda de taquara da Chapadinha/São Benedito

14:00 Roda de conversa: Bandas de taquara - passado, presente e futuro
Representantes das bandas de taquara presentes

15:00 Apresentações musicais
Banda de taquara de Santiago/Quilombo
Banda de taquara de Santo Antônio dos Moreiras
Banda de taquara Antiga Geração

16:30 Homenagem a mestres e tocadores

17:00 Grande roda com as bandas de taquara


ATIVIDADES PRÉ-EVENTO

Oficina de confecção de flautas

Dia 3/11/2016 - manhã (direcionado aos alunos da escola)
Local: Escola Municipal Padre Sacramento (Santiago, Minas Novas/MG)

Dia 3/11/2016 - tarde (direcionado aos alunos da escola)
Local: EFASET (Setubinha/MG)


PASSEIO CULTURAL

Está programada para o dia 4/11/2016, uma visita às comunidades de Santo Antônio dos Moreiras e Alto dos Bois, ambas em Angelândia, além de Campo Buriti, em Minas Novas, para os participantes do Encontro que quiserem chegar com antecedência e conhecerem um pouco mais da região. Em Santo Antônio dos Moreiras, será feita uma visita à oficina de instrumentos musicais e artesanato de Tião Chaves, um dos mais reconhecidos fabricantes de instrumentos do município de Angelândia. A visita ao sítio histórico e arqueológico de Alto dos Bois será uma oportunidade para conhecer a sede da antiga fazenda que remonta ao século XVIII e que serviu como pouso de tropeiros, quartel militar e refúgio indígena. Há no local um antigo cemitério e um curso d’água, com cachoeira e poço para banho. Em Campo Buriti, a visita terá foco na atividade ceramista, sendo esta comunidade um dos principais pólos de produção da conhecida cerâmica do Jequitinhonha.



INFORMAÇÕES ÚTEIS


HOSPEDAGEM

Durante o I Encontro a hospedagem será em camping ou casas de famílias das comunidades rurais próximas ao local do evento, em Quilombo. Há um número limitado de vagas que serão preenchidas à medida em que os interessados forem confirmando a participação e depósito bancário de reserva. O camping será em quintais próximos às casas. O café da manhã servido na própria casa é opcional e haverá também café da manhã servido no local do evento. Os valores de cada uma das possibilidades são os seguintes:

Diária de hospedagem nas casas incluindo café da manhã: R$ 25,00
Diária de hospedagem nas casas sem café da manhã: R$ 20,00

Diária de camping incluindo café da manhã: R$ 10,00
Diária de camping sem café da manhã: R$ 5,00

Para quem não conseguir vagas nas comunidades rurais ou preferirem a estrutura de hotéis, as diárias variam entre R$ 20,00 e R$ 90,00.


TRANSPORTE

A comunidade rural de Quilombo situa-se a 30 km de Capelinha, 70 km de Minas Novas e 26 km de Angelândia, os centros urbanos mais próximos. Todos os acessos a partir dessas cidades são por estrada de terra. O melhor acesso é a partir de Capelinha, que está a 450 km de Belo Horizonte.

Ônibus:

Belo Horizonte-Capelinha (horários de partida e chegada)
Empresa Saritur
5:30-14:35 (Valor da passagem: R$ 133,50)
19:30-3:40 
Empresa Pássaro Verde
6:30-16:40 (Valor da passagem: R$ 160,66)
21h-4:30 (Valor da passagem: R$ 134,00)

Chegando a Capelinha, haverá transporte fretado para o Encontro ou pode ser usado também serviço de táxi.

Capelinha-Belo Horizonte
Empresa Saritur
10:45-19:30 (R$138,55)
21:30-4:50
Empresa Pássaro Verde
8h-18h (R$ 166,41)
21:30-05:10 (R$ 138,45)

Minas Novas-Belo Horizonte
Empresa Pássaro Verde
6:30-18h (R$ 171,01)
20:30-5:30 (R$ 156,96)

Fonte: Página Facebook Encontro de Flautas do Jequitinhonha

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

ESTUDANTES OCUPAM MAIS DE 60 ESCOLAS EM MG CONTRA A PEC 241

UFMG informou que também tem seis prédios ocupados por estudantes. Eles são contra a PEC que impõe teto ao crescimento dos gastos públicos.

Estudantes ocupam Estadual Central contra reforma do ensino médio (Foto: Raquel Freitas/G1)

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais informou, nesta quarta-feira (26), que 66 escolas estaduais estão ocupadas por estudantes. Nesta manhã, o número era 62. Eles protestam contra a reforma do ensino médio e a proposta de emenda constitucional (PEC) 241, que impõe um teto ao crescimento dos gastos públicos.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (SEE), oito delas ficam em Belo Horizonte. As outras cidades que têm o ato são em Alfenas (1), Almenara (1), Araçuaí (1), Araguari (2), Arinos (3), Campestre (1), Caxambu (1), Coronel Fabriciano (1), Diamantina (2), Divinópolis (2), Esmeraldas (1), Espinosa (2), Itajubá (1), Ituiutaba (1), Janúba (1), Montes Claros (2), Paracatu (1), Poços de Caldas (3), Salinas (2), São Sebastião do Paraíso (1), Três Corações (1), Uberlândia (21) e Unaí(2).

Uma das mais tradicionais da capital, a Escola Estadual Milton Campos, conhecida como Estadual Central, na Região Centro-Sul, foi uma das primeiras a ser ocupadas. Desde o dia 6 de outubro, os alunos estão mobilizados no pátio do colégio.

As escolas municipais não estão sendo ocupadas. Elas são dedicadas ao ensino fundamental.

UFMG

Estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fizeram paralisações nesta segunda-feira também contra a PEC 241. De acordo com o Diretório Central dos Estudantes UFMG (DCE-UFMG) e a assessoria de imprensa da UFMG, seis prédios estavam ocupados na manhã desta quarta-feira.

São eles: dois do Centro de Atividades Didáticas (CAD) - desde 21/10; da Faculdade de Educação (FAE) - desde 21/10; do Instituto de Geociências (IGC) - desde 24/10; da Faculdade de Arquitetura - desde 24/10; e do Instituto de Ciências Agrárias, em Montes Claros, na Região Norte do estado - desde 25/10.
Em nota, a universidade defendeu a manifestação, mas condenou a ação de um grupo de estudantes que impediu a entrada de outros alunos e funcionários às dependências de alguns prédios nesta segunda.

UFVJM

A Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) informou que o Campus JK, em Diamantina, foi fechado na manhã desta terça-feira (25), quando um grupo de estudantes da universidade ocupou e impediu a entrada de demais estudantes e servidores entre docentes e técnicos administrativos, assim como de funcionários terceirizados.

A Reitoria disse que reconhece a manifestação dos estudantes em consonância com o movimento nacional em defesa da universidade e da educação pública. Em nota, a universidade informou que "desde o primeiro momento da ocupação promovida pelos estudantes, no dia 13 de outubro, no Campus JK, em Diamantina, e no Campus Janaúba, e no dia 21, no Campus Unaí, a Reitoria mantém um canal permanente de diálogo com o movimento para que as ações ocorram de maneira pacífica e organizada, não interferindo no direito constitucional de ir e vir das pessoas e não prejudicando aqueles que mais precisam do atendimento da universidade".

O comunicado ainda diz que "diante de mais uma ação promovida pelos estudantes, a Reitoria reforça a convicção de que a universidade é acima de tudo um espaço democrático no qual deve prevalecer o convívio harmonioso respeitando as diferentes opiniões, garantida a livre circulação de ideias e pessoas".

De acordo com o reitor, professor Gilciano Saraiva Nogueira, a equipe gestora mostrou-se desde o início da ocupação ser solidária ao movimento e em favor da universidade e da educação pública, mantendo atenção à situação da UFVJM, especialmente no que diz respeito à manutenção dos campi Unaí e Janaúba, bem como a dos cursos de medicina.

UEMG 

A Escola Guignard, na Região Centro-Sul, de Belo Horizonte, começou a ser ocupada nesta terça-feira (25). Segundo a Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), as aulas acontecem normalmente no local.

UFOP

A assessoria de imprensa da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) informou, por meio de nota, que não havia ocupação em nenhum dos campi e nem na Reitoria na manhã desta quarta-feira.

Institutos federais

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte não há ocupação nos institutos federais de educação.

A Reitoria do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) informa que os campi Almenara, Araçuaí, Arinos, Januária, Montes Claros, Pirapora e Salinas estão com as atividades de ensino interrompidas devido às ocupações promovidas pelo movimento estudantil que se encontra mobilizado em protesto contra as medidas impostas pelo Projeto de Emenda à Constituição (PEC) nº 241, Medida Provisória (MP) nº 746 (reforma do Ensino Médio), Projeto de Lei (PLS) nº 193 (escola sem partido). A nota foi divulgada na sexta-feira (21/10).

PEC 241

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou no dia 9 de agosto, por 33 votos a favor e 18 contra, a admissibilidade da proposta de emenda constitucional (PEC) encaminhada pelo governo e que institui um teto para os gastos públicos por até 20 anos.

A PEC 241 impõe um teto ao crescimento dos gastos públicos, que impacta diretamente nos recursos destinados à educação pública; a Medida Provisória 746, que reestrutura o Ensino Médio no Brasil; o Projeto de Lei 257, que retira direitos dos trabalhadores; o quadro orçamentário e financeiro de 2016 e a Lei Orçamentária Anual (LOA) 2017.

Reforma do ensino médio

As mudanças afetam conteúdo e formato das aulas, e também a elaboração dos vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A primeira mudança importante determinada pela medida provisória é que o conteúdo obrigatório será diminuído para privilegiar cinco áreas de concentração: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional. Artes, educação física, filosofia e sociologia, deixam de ser obrigatórias.

O segundo destaque da reforma será o aumento da carga horária. Ela deve ser ampliada progressivamente até atingir 1,4 mil horas anuais. Atualmente, o total é de 800, de acordo com o Ministério da Educação (MEC). Com a medida, a intenção do ministério é incentivar o ensino em tempo integral e, para isso, prevê programa específico com R$ 1,5 bilhão para incentivar que escolas adotem o ensino em tempo integral.

A previsão do MEC é que turmas iniciadas em 2018 já possam utilizar as mudanças. Até lá, as redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Por Alex Araújo, Do G1 MG

Blogger Themes

2leep.com

 
Powered by Blogger