terça-feira, 24 de outubro de 2017

Rio Fanado corre risco de extinção

Ambientalistas e autoridades pedem o apoio de deputados para evitar desaparecimento da bacia hidrográfica.

O Rio Fanado, que tem cerca de 120 km de extensão e passa pelos municípios de Angelândia, Capelinha, Turmalina e Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha, está secando e pode ser extinto em poucos anos. A denúncia foi feita por ambientalistas, prefeitos e vereadores da região aos deputados da Comissão de Participação Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta terça-feira (17/10/17).
Gestores das cidades impactadas evitaram apontar culpados, mas fizeram cobranças e sugeriram ações de recuperação do curso de água - Foto: Clarissa Barçante




O presidente do Movimento SOS Fanado, Daniel Costa Souza, explicou que a situação é crítica e pede providências urgentes. Ele defendeu que o Estado realize ações para recuperação e proteção de nascentes, assim como de fiscalização das outorgas de água.“O que se vê é irresponsabilidade na gestão. Pagamos taxa de esgoto, mas não temos contrapartidas. As cidades que vivem do rio clamam por ações concretas para a sua proteção”, disse.
O ambientalista também citou como causas para o quase desaparecimento do Rio Fanado a irrigação irregular de grandes lavouras de café e eucalipto, o desmatamento sem controle, as queimadas em grande escala e o despejo de esgoto sem tratamento.Ele acrescentou que a erosão causada pela abertura de estradas, as lavras de minério e a ausência de cercamentos de nascentes para preservação das matas ciliares também são entraves para a recuperação do curso de água.
“Temos que conscientizar as comunidades, cobrar o tratamento do esgoto e a construção de barragens, além da inclusão do rio no Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG)”, completou Daniel.
Prefeitos apontam caminhos para recuperação
Os gestores das cidades impactadas pela destruição do Rio Fanado evitaram apontar culpados, mas fizeram cobranças e sugeriram ações de recuperação da bacia hidrográfica.
O prefeito de Turmalina, Carlos Barbosa Xavier, por exemplo, destacou que a crise hídrica é mais grave no Vale do Jequitinhonha. Para ele, apesar da responsabilidade ser de todos, existe omissão dos agricultores e do governo, que não faz a fiscalização necessária. “Vivemos uma situação de calamidade pública”, lamentou.
O prefeito de Angelândia, João Paulo Souza, e o vice-prefeito de Minas Novas, José Felipe Mota, afirmaram que é preciso buscar novas formas de captação de água, assim como de construção de barragens. Já o prefeito de Capelinha, Tadeu Fernandes de Abreu, cobrou ações efetivas do Estado, no sentido de recuperar nascentes e matas ciliares.
Copasa reconhece passivo, mas garante mais recursos
O diretor de Operações Norte da Copasa, Gilson de Carvalho Queiroz Filho, entende que o problema deve ser resolvido por diversos atores, entre eles a concessionária de água e esgoto.
Gilson (centro) disse que houve uma significativa queda nos volumes de chuva nos últimos três anos - Foto: Clarissa Barçante
Ele destacou que a mudança climática mundial levou a uma significativa queda nos volumes de chuva nos últimos três anos. “A água é usada para beber e também para a agricultura. Por isso, temos que encontrar um equilíbrio no uso. A monocultura de eucalipto, por exemplo, deve ser mais bem regulada pelo Estado”, salientou.
Gilson citou os programas estaduais Cultivando Água Boa, o Pro-Manaciais e o Plantando o Futuro como ações de recuperação de bacias hidrográficas e nascentes. Ele reconheceu que a Copasa e sua subsidiária Copanor têm um passivo no que se refere ao recolhimento de esgoto, mas, conforme disse, hoje existem mais recursos para o incremento de iniciativas e investimentos ambientais.
“Podemos e queremos trabalhar nas diversas regiões do Estado, inclusive na Bacia do Rio Fanado”, garantiu o representante da Copasa.
Deputados propõem grupo de estudos no Jequitinhonha
Após os debates, os parlamentares sugeriram ações e medidas de gestão das águas no Vale do Jequitinhonha e na Bacia do Rio Fanado. Os deputados Rogério Correia e Doutor Jean Freire (ambos do PT) propuseram formar um grupo técnico para avaliar o que é necessário para salvar o rio.
"Esse grupo traçaria um diagnóstico e, a partir disso, programas de execução e intervenção da crise hídrica. Seriam ações de curto, médio e longo prazo", afirmou o deputado Rogério Correia.
O presidente da comissão e autor do requerimento que motivou o debate, deputado Doutor Jean Freire, lembrou a ameaça de extinção de outros rios do Vale do Jequitinhonha. Ele alertou que, somente agora que as cidades sofrem com a falta de água, os órgãos de governo estão sendo responsabilizados.
O parlamentar teve, ainda, diversos pedidos de providências referentes ao debate aprovados na comissão.
Fiscalização – Os deputados Tito Torres e Gustavo Valadares (ambos do PSDB) cobraram mais intervenções do Governo do Estado na gestão dos rios mineiros, tendo em vista a escassez de água. Para ambos, é preciso verificar como estão sendo usados os recursos hídricos pelo agronegócio e pelas indústrias.
O deputado Gustavo Santana (PR) defendeu a elaboração de uma política pública baseada na preservação das nascentes, com a fiscalização do uso da água tanto pelas comunidades ribeirinhas como por agricultores e indústrias. 
Ao final, a deputada Marília Campos (PT) e o deputado Geraldo Pimenta (PCdoB) manifestaram seu apoio à defesa do Rio Fanado e a uma melhor gestão das bacias hidrográficas mineiras.
Via ALMG

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

SOS RIO FANADO. MOVIMENTO DE LUTA PELA RECUPERAÇÃO DO RIO FANADO

Os Municípios de Minas Novas, Turmalina, Capelinha e Angelândia precisam resolver a questão do saneamento básico em seus limites.


O Movimento SOS FANADO, luta pela revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio Fanado. O rio sofre com grande despejo de esgoto, em diversos pontos da área urbana e rural. O objetivo é alertar a comunidade e autoridades em relação ao atual descaso que um assunto tão importante vem sendo tratado.

Esgoto jogado no Rio Fanando em Minas Novas



O acesso à água potável e ao saneamento básico foram reconhecidos como direito do ser humano pela Organização das Nações Unidas. A resolução declara que “o direito a uma água potável, limpa e de qualidade e a instalações sanitárias é um direito humano, indispensável para gozar plenamente do direito à vida”.

Foto: SOS Fanado/Divulgação






















A coleta e o tratamento de esgoto têm sido deixados de lado por sucessivos governos. A inexistência de rede de distribuição de água potável, associada à falta de coleta e de tratamento de esgoto, cria um ambiente insalubre que propicia o desenvolvimento de doenças fatais.

Tratase de doenças toxicológicas causadas pela contaminação por substâncias químicas vindas de causas e produtos diversos, que são lançados diariamente nos rios e nos esgotos a céu aberto da nossa cidade, com impactos diretos à saúde da população.

Foto: SOS Fanado/Divulgação





























Infelizmente, nossos governantes ainda têm uma visão míope sobre a questão do saneamento básico. A sociedade civil precisa estar alerta para o problema toxicológico causado pela falta de coleta e tratamento de esgoto, além do dano ambiental incalculável produzido nos rios, sendo as entidades gestoras gritantemente omissas em relação ao assunto.

Até quando o nosso Rio vai aguentar? Convivemos com esse crime ambiental há décadas, aguardando soluções, e o que vemos é o descaso e a irresponsabilidade prevalecer.

A solução do problema é possível: Vistorias de vazamentos, instalação de fossas sépticas, fossas com filtro anaeróbico, sumidouros, lagoas de estabilização, Estações de tratamento, de estágios preliminar, primário, secundário e terciário.

Agentes comunitários devem orientar a população sobre os cuidados nos domicílios necessários para o despejo regular dos dejetos e o controle do lixo, com descontaminação da água destinada ao consumo.

A população fanadeira está revoltada, decepcionada e indignada com o descaso, com a ausência de soluções, com a falta de ações efetivas, com o pagamento de uma taxa (de esgoto) que não gera nenhuma contraprestação social.

Foto: SOS Fanado/Divulgação







































Para evitar este tipo de prejuízo ambiental, é imprescindível que seja feita a coleta adequada de esgoto doméstico, com tratamento adequado a cada tipo de efluente, seguido do depósito correto deste esgoto tratado, de acordo com a legislação ambiental vigente.

Paralelamente, é essencial realizar também a manutenção correta da rede de esgoto, evitando vazamentos e desvios impróprios. Apesar de representar uma postura inicial e depender de trabalho contínuo, práticas como essas são algumas das importantes para garantir a defesa do meio ambiente e a preservação da saúde e do bemestar de pessoas e animais.
Todas as diretrizes para a resolução da questão, já são palpáveis e de conhecimento do homem, cabendo a cada órgão responsável pela questão adotar as medidas pertinentes em caráter de urgência.

Os Municípios de Minas Novas, Turmalina, Capelinha e Angelândia precisam resolver a questão do saneamento básico em seus limites, notadamente nas margens do Rio Fanado, que é o mais importante bem natural da região e está em fase de decadência total.
O movimento solicita que sejam tomadas as devidas providências efetivas junto aos gestores municipais e estaduais da questão.

Acesse as páginas do movimento:




Via Jornal dos Vales

Blogger Themes

2leep.com

 
Powered by Blogger