segunda-feira, 12 de outubro de 2015

SEM ÁGUA HÁ 20 DIAS, POPULAÇÃO DE ITINGA EXIGE SOLUÇÃO DA COPANOR

Moradores e autoridades acusam a Copanor, empresa ligada à Copasa de ser responsável pelo caos no sistema de abastecimento de água da cidade.


Indignação e revolta deram o tom da audiência pública realizada nesta sexta-feira (9) no salão da Paróquia Santo Antonio de Itinga, no Vale do Jequitinhonha (MG) para cobrar uma solução da  Copanor-Copasa Serviço de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas-responsável pelo abastecimento de água da cidade.

Há 20 dias os moradores estão sem água e segundo o prefeito municipal, Adhemar Marcos Filho (PSDB) o caos foi provocado pela incapacidade da empresa no gerenciamento do serviço.

Parte da cidade, de 7 mil habitantes,  já não possui mais reservas de água. Um galão de água mineral de 20 litros, cujo valor médio é de R$ 10 saltou para R$ 32 reais.

“Só temos água para beber”, relatam os moradores.

Na prefeitura, por exemplo, os banheiros foram todos interditados e os hotéis da cidade estão recusando o recebimento de hóspedes.

 

A família do estudante Fábio Augusto, de 18 anos, residente no centro da cidade, estava se valendo de um poço artesiano de um posto de combustível.
“O poço secou e agora não sabemos como vai ser”, disse o estudante.

Como medida emergencial, a prefeitura colocou um caminhão pipa para abastecer os bairros mais afetados. 

O advogado Nicolau Laborão criticou a empresa pelo fato dos consumidores não terem sido avisados do desabastecimento e defendeu o abatimento de valores nas próximas contas, referente aos dias que a população não foi servida por um serviço que ela paga.

A cidade é banhada pelo rio Jequitinhonha, mas a captação da água que abastece a cidade é a feita no Córrego Água Fria, a 7 km do centro. O córrego está secando.

“Ainda  temos abundância de água, mas falta gestão”, observou o Padre Carlos Magno, ao se referir ao rio Jequitinhonha.

Pressões

Pelo menos 300 pessoas participaram da audiência, convocada por entidades da sociedade civil, entre elas, Organização de Ministros e Pastores da cidade, Paróquia Santo Antonio, Sindicato dos Servidores Municipais, dos Produtores Rurais e AMAI-Associação dos Amigos de Itinga.

A audiência durou cerca de 3 horas e a frase mais ouvida foi “queremos água”

De acordo com os moradores, o problema vem se arrastando desde 2012 e já provocou outros protestos contra a empresa que pouco tem feito para melhorar o sistema de abastecimento do lugar. Ela tem a concessão dos serviços por 30 anos.

No inicio da audiência foi lida uma carta aberta à população, repudiando o descaso da Copanor para com o sistema de distribuição de água na cidade.
 

A carta, assinada pelas entidades que convocaram a audiência, criticou a Câmara dos Vereadores e a administração municipal que, segundo as entidades, não tomaram providências emergenciais para solução do problema, como por exemplo, disponibilizar caminhão pipa para atender a população.

O fato gerou debate acalorado. O prefeito Adhemar Marcos (PSDB) e o presidente da Câmara; Pedro Jerônimo, se defenderam alegando que não eram responsáveis pelo abastecimento de água do município e que não possuem poder de gestão da empresa.

“Temos 4 caminhões-pipa  para atender principalmente a zona rural. Apesar da grande demanda, não deixamos de acudir a população da cidade”, disse o prefeito, lamentando que alguns setores não  estavam interessados na solução do problema mas, apenas em retirar proveito político da situação.

O Procurador Jurídico do município, João Bosco Versiane Gusmão lembrou que desde que a Copanor assumiu o serviço em 2011, já foram feitas 23 notificações judiciais contra ela e que em 2014 foi ajuizada uma Ação Civil Pública para normalizar o serviço de abastecimento de água. Segundo ele, atualmente tramitam na Justiça, duas ações contra a empresa.

Ele disse que uma das ações se refere à taxa de cobrança de tratamento de esgoto cuja obra não foi feita integralmente, com pedido de devolução dos valores cobrados dos contribuintes,nos últimos 12 meses.

A empresa não enviou nenhum representante para dar explicações.

Seca

A falta de chuva em níveis normais acentuou o problema do fornecimento de água de Itinga cuja captação fica a 7 km da cidade.

De acordo com Sandro Chaves, operador do Sistema da Copanor na cidade, o desabastecimento vai continuar por pelo menos 10 dias.

Ele afirmou que a falta de investimentos em infraestrutura  prejudica o abastecimento.

“Usamos uma antiga adutora da prefeitura e as manilhas  que conduzem a água tem mais de 40 anos. Muitas estouram e o abastecimento fica prejudicado”, disse Chaves.

Ele afirmou que apesar dos problemas, a água servida é de boa qualidade.
Para o presidente da Associação dos Amigos de Itinga (AMAI) Pierre Gusmão, a falta de manutenção do canal condutor da água provocou o entupimento das manilhas com areia e folhas e por isso a água esta chegando em conta gotas para os consumidores.

Segundo a comerciante Sueli Mendes, não existe vigilância no local de captação e tratamento. ”Qualquer um pode entrar lá e fazer o que quiser. Muitas vezes a água chega suja nas torneiras”, disse ela.

A informação foi confirmada pela proprietária da área. "O local está muito sujo. Já encontraram até cobras mortas.", lamentou Maria Inês Ramalho de Oliveira. Ela mora próxima à área de captação da água.

Para o pastor Thiago, o problema de água em Itinga é maior que a Copanor e que é preciso pensar em soluções para preservar os mananciais e as matas ciliares dos córregos e rios que estão sendo destruídas.

Soluções emergenciais

Ao final da audiência foram tomadas medidas emergenciais. A Copanor autorizou a contratação de caminhões pipa para atender a população em caráter de urgência.

As medidas foram anunciadas pelo deputado estadual Dr. Jean Freire, que participou da audiência.

 

Segundo ele, a empresa SANEAR, de Almenara se comprometeu a fazer a obra de extensão de 150 metros da adutora, com suporte da Copasa, além da construção de mais uma adutora para captar água do rio Jequitinhonha.
Participantes da audiência defenderam a suspensão do contrato de concessão da Copanor.

O procurador jurídico da prefeitura João Bosco Versiani, informou que a empresa investiu R$ 15 milhões no município e que o cancelamento do convênio obrigaria o município a arcar com os prejuízos.

O deputado Dr. Jean propôs que dentro de 15 dias os cinco deputados mais votados no município participem de outro encontro para avaliar o resultado das medidas adotadas.

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger