sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Operação Bicho do Mato II prende 75 pessoas e aplica quase R$ 1 milhão em multas no Vale do Jequitinhonha

A Operação Bicho do Mato II, realizada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), terminou no último domingo (25/10/2015) com a apreensão de 880 animais, sendo 879 aves e um réptil, e a aplicação de R$ 901.828 em multas e 75 pessoas presas. Além dos animais, também foram apreendidos 49 gaiolas, seis viveiros, 126 alçapões, duas armas de fogo, 19 redes de pesca e 11 kg de peixes.

O objetivo da operação, que teve início no dia 19 de outubro, foi coibir o tráfico de animais silvestres nas regiões do Norte e Nordeste do estado. As fiscalizações ocorreram nos municípios de Águas Vermelhas, Almenara, Araçuaí, Cachoeira do Pajeú, Coronel Murta, Divisa Alegre, Itaobim, Jequitinhonha, Medina, Pedra Azul, Ponto dos Volantes, Rio do Prado, Rubim, Salinas e Virgem da Lapa.

Operação terminou com a apreensão de 880 animais, sendo 879 aves e um réptil, e a aplicação
de R$ 901.828 em multas e 75 pessoas presas – Foto: Divulgação / Sisema

A ação, planejada e coordenada pela Semad, contou com o apoio da Polícia Militar de Meio Ambiente, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal e Secretaria de Estado de Fazenda (SEF). De acordo com o chefe de Fiscalização da Fauna da Semad, Daniel Sampaio Colen, todos os animais apreendidos foram examinados pelos veterinários da Semad, que também faziam parte das equipes de fiscalização.

“Após examinarmos os animais, concluímos que 592 deles estavam saudáveis e fisicamente preparados para serem reinseridos na natureza. Eles então foram soltos em áreas que passaram por uma avaliação dos nossos técnicos, consideradas aptas para receberem os animais”, acrescentou Daniel Colen.

Ele ressaltou, ainda, que entre os fatores levados em consideração para a escolha da área de soltura está a condição hídrica do local, uma vez que a água é fator preponderante para a sobrevivência dos animais.

Os 288 animais que foram considerados debilitados fisicamente foram encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres de Belo Horizonte (Cetas-BH), onde receberão os cuidados necessários para completa reabilitação. O Canário da Terra foi uma das espécies encontradas em maior número pelos fiscais. De acordo com Daniel Colen, essas aves, ao contrário da maioria, que são adquiridas pela beleza do canto, são geralmente traficadas para rinhas.

O chefe da Fiscalização da Fauna destacou, também, que foi a primeira vez que as equipes da Semad flagraram o crime de adulteração e falsificação de anilhas para pássaros. “Os proprietários dessas anilhas foram autuadas em flagrante e encaminhados para penitenciária. Esse tipo de crime é inafiançável e tipificado como falsificação de selo público pelo artigo 296 do Código Penal”, concluiu.

A favor da fauna

Essa é a segunda grande operação de combate ao tráfico de animais silvestres realizada com a coordenação da Semad. “Desde 2011, a gestão da fauna vem sendo transferida do governo federal para os Estados, o que inclui a fiscalização do comércio irregular de espécies”, explica o superintendente de Fiscalização Ambiental Integrada da Semad, Heitor Soares Moreira.

Em 2014, a operação de fiscalização Bicho do Mato I apreendeu 724 pássaros e 675 gaiolas e aplicou R$ 788 mil em multas. O trabalho também foi realizado na região Nordeste do estado entre os dias 24 e 29 de outubro em 10 municípios e envolveu, ainda, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O tráfico de animais

Segundo a Organização Não Governamental (ONG) WWF-Brasil, há pesquisas que apontam que o comércio ilegal de animais movimenta cerca de 10 bilhões de dólares por ano em todo o mundo. Só o tráfico de drogas e armas é maior.

Ainda segundo a WWF, o Brasil possui um grande comércio interno de animais, que sustenta os traficantes que agem no país e servem como intermediários para os traficantes internacionais.

A principal rota do tráfico de animais silvestres no Brasil começa nas regiões Norte e Nordeste, com a retirada de espécies da natureza, e segue até o grande mercado consumidor da fauna no país, a região Sudeste.

De acordo com dados do Ibama, os estados brasileiros onde ocorre a maior parte das capturas de animais são: Maranhão, Bahia, Ceará, Piauí e Mato Grosso. Já os estados com o maior mercado consumidor são: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O instituto também aponta que, no Brasil, as aves são as mais comuns em apreensões de tráfico.

Um dois principais documentos sobre o tema já publicado no Brasil é o Relatório Nacional sobre o Tráfico de Fauna Silvestre, lançado pela Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), em 2002. O relatório aponta que 60% dos animais comercializados ilegalmente são para consumo interno, o chamado tráfico doméstico. Os outros 40% dos animais retirados da fauna brasileira seguem para destinos internacionais.

Os autores do relatório estimaram que todos os tipos de exploração ilegal seriam responsáveis pela retirada de 38 milhões de animais da natureza brasileira, número que não inclui peixes ou insetos.

Via Semad

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger