sábado, 26 de outubro de 2013

PEDRO MORAIS LANÇA SEU 3º CD, VERTIGEM, DENSO E DANÇANTE

Pedro Morais é MPopB contemporânea, diz crítico musical.

“Deixa a luz entrar no escuro
Que você vai ver o caos se extinguir
Pense além do próprio muro
Que a vida vai ser muito mais feliz”.

Os primeiros versos proferidos pelo timbre suave, sublinhados por guitarras com leves distorções pontuais, soam mais como convite que música. Essas e as palavras que as sucedem, para o próprio autor e cantor das mesmas, são as contadoras da história do disco para o qual a canção “Para Repetir” faz as vezes de anfitriã. E, apesar do nome “Vertigem”, as 11 faixas que compõe o trabalho de tal nome são o oposto do peso que essa sensação carrega. Permeado por simplicidade e leveza, o terceiro álbum de Pedro Morais traz o cantor e compositor mineiro sem padronizações ou pré-definições. Apenas música brasileira, fruto inegável da MPB, mas que subverte a forma e cria a própria identidade.

Capa do CD Vertigem, de Pedro Morais.
Uma característica é o conteúdo denso e dançante. Vertigem provoca uma dança, em balanços mansos, suaves, rodantes em meia-lua, como no reggae. É diferente do bate-estaca que se vê por aí. E provoca reflexões sobre a vida em movimento, a fé, o amor pleno, o passageiro e o eterno, sobre o presente e o futuro. E muita luta como instiga a música "Ê Camarada".

Mas, propõe o amor de mansinho, bem devagarinho, no belo poema de Mário Quintana, Bilhete, musicado de forma magistral e arranjos que completam a obra. Perfeito! diria um jovem arrepiada.

A história começa com o Festival Música Pra Todo Mundo que, com o crivo do público através de uma votação virtual, escolheu 4 artistas entre 30 para gravarem um disco cada, com direito a toda estrutura de estúdio, distribuição física e digital. De uma forma ou de outra, o sucessor de “Pedro Morais” (2005) e “Sob o Sol” (2010) sairia em breve, mas o gosto de coletividade vindo do apoio de novos e velhos fãs – que surgiram no boca a boca que a internet proporciona, foi melhor do que o esperado.

Junte isso a parcerias por todos os lados, que se mostraram fundamentais para a concepção de“Vertigem”. Gustavo Ruiz, responsável pela produção, é quem ajudou Pedro a podar quando devia, ao mesmo tempo em que auxiliou a enxergar potencial em fragmentos que ele julgava não possuir força. Esse foi o caso da densa e melancólica “O Grão”, que quase não entrou entre as 11.

Nas composições, o trabalho em conjunto, que aparece em diversas faixas, foi essencial para a prática do desapego e para a construção de composições que buscam gerar imagens através das palavras. Como na faixa-título, cuja força não se exprime apenas na sonoridade, mas também nas simples palavras ditas no refrão – e que, com a devida atenção, são capazes de desenhar com linhas precisas o que é passado ao ouvinte.

Na balança, a outra parte que forma esse manto de bons encontros é a banda que acompanhou Pedro nas gravações ao vivo – formato que, aliás, nunca havia sido experimentado pelo mineiro, e pelo qual tomou gosto. Apesar das diferenças, “Vertigem” possui uma linguagem com um fator em comum do começo ao fim.  E essa linha que se amarra ao longo dos quase 50 minutos de álbum é creditada a cada um dos músicos presentes – além, claro, do próprio Pedro e Gustavo: Dustan Gallas (guitarra), Lucas Martins (baixo), Samuel Fraga (bateria) e André Lima (teclado). 

As harmonias, os arranjos e cada acorde ouvido são frutos de um trabalho coletivo daqueles que dividiram o mesmo teto – no caso, o estúdio, onde tudo foi gravado, e a casa do produtor, onde as músicas foram antes apresentadas aos envolvidos. Assim pode se dizer de “Ê Camarada!”, que vem logo após a faixa densa supracitada, e tem uma cara mais brasileira, flerta com funk-groove e rap, mas não deixa de parecer parte do mesmo conjunto - a música, aliás, ganhou remix, que vem como faixa-bônus. Ou em “Nuvem”, que traz a voz macia da musicista mineira Juliana Perdigão, única participação do disco, cuja melodia etérea também contrasta com algumas das outras composições.

Assim como “Vertigem” foi concebido, Pedro Morais entrou na música de forma orgânica e natural. Sua vivência com o bandolim logo quando criança o levou à descoberta – por insistência do pai – de sua voz, que se somou à experiência, ainda adolescente, tocando na noite de Belo Horizonte. Quando foi perceber, já vivia de música. Decidiu então também se formar academicamente na área e o resto é história.

O ponto é que tudo soa tão bem costurado que, ao final da mesma primeira canção que abre o disco e esse texto, Pedro canta, quase como conselho, quase como previsão: “Ouça a voz que pulsa dentro/ Fique à vontade para repetir”. 

Texto/release para divulgação com algumas alterações.

Quem é Pedro Morais

Pedro Morais nasceu em Belo Horizonte, há 32 anos. Viveu sua infância e parte da adolescência em Minas Novas, no Alto Jequitinhonha, no nordeste de Minas. Cresceu em um ambiente musical, ouvindo, cantando e tocando MPB, músicas de serestas e os sons das congadas da Festa do Rosário ou da banda de taquara. 

Começou a tocar bandolim e depois violão, aos 8 anos. Participou de grupo de chorinho e serestas da cidade, além da participação em festivais de música pelo Vale do Jequitinhonha afora.

Aos 15 anos, Pedro retornou a Belo Horizonte, determinado a seguir o seu destino de músico inquieto e criativo. E começou a também cantar, descobrindo a sua bela voz. Com novas experiências de bandas de rock e MPB, foi formatando um caminho, criando uma identidade na cena musical mineira. 

Pedro Morais ganhou o Festivale de Medina, em 2001, participou do Festur de Turmalina. Já realizou shows em cidades do Vale do Jequitinhonha como Minas Novas, Turmalina, Capelinha, Carbonita, Virgem da Lapa e Diamantina; e outras diversas cidade de Minas, principalmente em Belo Horizonte. Mas, vem se espalhando pelo Brasil, no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Fortaleza. 

Elogiado pelos colegas de geração, sempre trabalhando de forma solidária e coletiva, tem aparecido em diversos shows da turma do Clube da Esquina como Lô Borges, Flávio Venturini e o consagrado Milton Nascimento que o apontou como a nova revelação da música mineira e brasileira.   

Forma com os amigos e parceiros Kadu Vianna, Flávio Henrique e a cantora Mariana Nunes, o Quarteto Cobra Coral, grupo afinadíssimo com o que há de melhor na música nacional.

Pedro Morais vem criando um público fiel e presente nos seus shows, sempre lotados, assim como na participação ativa nas redes sociais. Foram justamente os seus fãs que o levaram a ficar em segundo lugar, na votação digital popular, no Festival Música Pra Todo Mundo, promovido pela Oi, em 2011, em uma disputa que participaram 30 artistas da nova música brasileira.

Leiam o que o crítico musical Antônio Carlos Miguel, de O Globo, escreveu sobre a música de Pedro:

Não sei o que isso significa mas a música de Morais é interessante e volta ainda mais nesse “Vertigem”, que foi produzido por Gustavo Ruiz em Sampa, com gente da cena atual que toca com Céu, Arnaldo Antunes e cia: Dustan Gallas (guitarras), Lucas Martins (baixo), Samuel Fraga (bateria) e André Lima (teclados). É MPopB contemporânea e ainda com um frescor que veteranos no setor como Arnaldo Antunes, Lenine e cia há muito perderam. É a impressão que deixaram canções como “O amanhã”, “Vertigem” (ecos psicoBeatles no arranjo e instrumental),  ”Liga”, “Bilhete”, “O grão”… e que continuarão sendo ouvidas. 

Confira a crítica completa clicando aqui: http://g1.globo.com/musica/antonio-carlos-miguel/platb/


Conheça, ouça e sinta as músicas do novo CD de Pedro Morais:

Serviço:
·    Show musical de Pedro Morais
Lançamento do CD Vertigem

·     Data: 05.11.13
Local: Teatro Bradesco
Rua da Bahia, 2.244 - Lourdes
Belo Horizonte/MG 


Ponto de Venda Sem Taxa de Conveniência: 

Bilheteria Teatro Bradesco.
Horário de Atendimento: 
Domingo a Quinta, das 12 às 20h; Sexta e Sábado, das 12 às 22h.
Preço: R$ 30,00 

Meia Entrada: Menores de 21 anos, Idosos acima de 60 anos e Estudantes, mediante apresentação de documento.

Ingressos, via internet:

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger