terça-feira, 10 de setembro de 2013

STJ LIBERTA ACUSADO DE ORDENAR MASSACRE DE FELISBURGO

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Marco Aurélio Bellizze, concedeu habeas-corpus ao fazendeiro Adriano Chafik Luedy, acusado de ser o mandante do chamado Massacre de Felisburgo. O crime ocorreu em 2004, quando cinco trabalhadores sem-terra foram assassinados e pelo menos 17 pessoas ficaram feridas, no acampamento Terra Prometida, na Fazenda Nova Alegria, em Felisburgo, 736 quilômetros de Belo Horizonte.

Foto: Divulgação
O pedido de habeas-corpus foi deferido na sexta-feira, em liminar, mas ainda não foi publicado. A decisão cassou a medida cautelar que determinou a prisão de Chafik no dia 21 de agosto. O habeas-corpus também foi impetrado em nome do réu Washington Agostinho da Silva, acusado de participação no crime, que permanece foragido desde o dia 21 de agosto.
De acordo com a assessoria de comunicação do STJ, a decisão foi concedida em caráter provisório, ou seja, é válida até a análise do mérito do pedido pela 5ª turma do tribunal, ainda sem data definida. A previsão é que a decisão seja encaminhada amanhã para a Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde Chafik está preso.
Em nota, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lamentou a decisão do STJ. "É lamentável que a Justiça de Brasília coloque este assassino à solta. Nós do MST vamos manter a mobilização para o julgamento definitivo, confiantes que o TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) vai condená-lo à pena máxima", disse Enio Bohnenberger, da coordenação do MST.

O Massacre de Felisburgo ocorreu em 20 de novembro de 2004, no acampamento Terra Prometida, em Felisburgo. Os agricultores Iraguiar Ferreira da Silva, 23 anos; Miguel Jorge dos Santos, 56 anos; Francisco Nascimento Rocha, 72 anos; Juvenal Jorge da Silva, 65 anos; e Joaquim José dos Santos, 48 anos, foram mortos a tiros, à queima-roupa. Ao menos 17 pessoas ficaram feridas, inclusive crianças. Para o Ministério Público, Chafik comandou o ataque logo depois de perder uma ação de reintegração de posse para o MST.
O julgamento do massacre foi adiado pela terceira vez neste ano. A primeira foi no dia 17 de janeiro. A segunda vez, no dia 15 de maio, e motivou protestos de organizações, como o MST. O último adiamento ocorreu no dia 21 de agosto, quando a Justiça de Minas Gerais suspendeu o processo devido à ausência do advogado Sérgio Alexandre Habib, que alegou problema de saúde e pediu adiamento do tribunal do júri. Ele defende o fazendeiro Adriano Chafik, além de Francisco de Assis Rodrigues de Oliveira, Milton Francisco de Souza e Washington Agostinho da Silva, acusados de participação no crime.
Chafik Luedy e os três réus respondem pelos crimes de formação de quadrilha, homicídio qualificado, tentativa de homicídio e incêndio. As penas, caso sejam condenados, podem chegar a 30 anos de prisão.

Fonte: Agência Brasil

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger