quarta-feira, 9 de maio de 2012

EM MINAS GERAIS, OS SINOS AINDA "CONVERSAM"


Por quem dobram os sinos de Minas? Pela tradição, pela história – e pela comunicação. Em muitas cidades coloniais, esses instrumentos de bronze continuam como agentes de informação, chamando para festas, convocando fiéis para missas e com o poder até de alertar para calamidades.

Em São João Del-Rei, no Campo das Vertentes, a atividade passa de pai para filhos e de tios para sobrinhos, mostrando que ritmo, técnica e bom ouvido são imprescindíveis para fazer o repique chegar à população sempre pela beleza, jamais pelo incômodo. Na mesma cidade, um sineiro atende encomendas de todo o país e uma peça já foi enviada para Miami, nos Estados Unidos.

Também Uberaba emite bons sons, e uma empresa de fundição exportou para o Vaticano.  E como fazer essa história se tornar cada vez mais viva? A professora aposentada de Mariana Hebe Rôla, autora de um livro infantil sobre o tema, visita escolas e conta à criançada sobre a importância de se preservar a linguagem dos sinos.

Já para quem acha que se trata de um objeto sem serventia, obsoleto, vale o alerta: os ladrões estão de olho neles. No ano passado, um sino, pesando 120kg, foi arrancado da centenária Capela de Santo Antônio do Monte, no distrito de Engenheiro Nogueira, em Ouro Preto. A polícia e o Ministério Público estadual (MPE) investigam o sumiço. Portanto, enquanto os sinos dobram nas igrejas, as autoridades devem “redobrar” os cuidados para mantê-los aos olhos e ouvidos da população. Em perfeito estado.

São João Del-Rei – Uma escada de pedra com 77 degraus e outra de ferro, com onze, conduzem à torre da Catedral de Nossa Senhora do Pilar e a uma das mais belas e antigas tradições de Minas. Nesse ponto de onde se avistam outras igrejas e parte de São João Del-Rei, no Campo das Vertentes, reluzem os sinos que chamam os católicos para missas e procissões, dão notícias a todos sobre mortes e enterros e podem até informar sobre chuvas e incêndios. Enfim, um sistema de comunicação velho como o tempo e em plena atividade nesse mundo tão tecnológico.

O acesso estreito e em curvas que conduz ao campanário da catedral não assusta os jovens Vinícius Adriano Faria Silva e Lucas Henrique dos Santos Bispo, ambos de 16 anos, acostumados, desde a infância, a passar sebo nas canelas e atingir a corda e o instrumento em questão de segundos. Com experiência e destreza, a dupla põe os sinos em movimento – desta vez, na noite de segunda-feira, para convocar os integrantes da Irmandade das Almas para a missa.

Piercing brilhante no nariz, cabelo discretamente cortado à la Neymar e quase sempre com a camisa do Flamengo, time do coração, Vinícius faz parte de uma família de sacristãos e sineiros que demonstram completa intimidade com os templos barrocos de São João Del-Rei, chamada, muito apropriadamente, de cidade dos sinos, por manter a tradição dos dobros, repiques e badaladas, sem interferências, desde o período colonial. “Não é preciso força, mas jeito”, explica o adolescente sobre o ofício que aprendeu aos quatro anos com o tio Rodrigo. “Meu pai Fábio, sineiro da catedral, não gostava que eu subisse na torre, pois tinha medo que eu caísse de lá. Agora, são as meninas que ficam preocupadas…”, brinca o jovem sobre o charme e mistério que a atividade desperta. Hoje, a cidade assiste, no Largo do Rosário, às 19h30, à Sinfonia dos sinos, um espetáculo com orquestra de músicos locais, com repeteco em 23 de junho e 4 de agosto. O nome do concerto é para homenagear São João del-Rei.

Quem vê os jovens movimentando os sinos pode até pensar que são dois malabaristas, pois, às vezes, para fazer o sino dobrar, chegam a ficar encurvados, com os pés na parede. Aos olhos de quem acompanha a cena, dá um certo medo de que eles se projetem no espaço, mas é tudo ilusão de ótica – são cobras criadas. “Perigoso mesmo é o sino voltar e bater na nossa cabeça. No início, isso ocorria, agora não. A torre libera o estresse, dá muita adrenalina”, diz o rapaz. Já no campanário da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, o tio Rodrigo Leandro da Silva, de 41, demonstra total satisfação em ser um “sineiro com carteira assinada”, atividade iniciada aos 21.

Senhora é morta! Na família Silva, de seis filhos, só um fugiu à regra e não trilhou os caminhos das torre das igrejas, mas alguns sobrinhos seguem os passos. No campanário do Rosário, enquanto “comunica” a chegada do enterro de uma mulher da irmandade, Rodrigo conta sobre a mecânica com a qual lida diariamente. “Os sinos pequenos fazem a marcação dos repiques, o médio faz a pergunta e o grande responde. Os três fazem um diálogo entre si.” A convite do Estado de Minas, numa noite fria e chuvosa, parte da família Silva se reuniu na torre da catedral para uma pequena demonstração dessa arte milenar.

Giovanni Tirado Santos Silva, de 29, o Vaninho, auxiliar de escritório, é também sacristão da Capela de Santo Antônio e traz o gosto herdado do pai, José Giovani, e dos tios. “Sinto muito orgulho.” Ao lado, José Giovani, sacristão da Igreja das Mercês, lembra que “sino não tem nota musical” e que para ser um bom sineiro é preciso, basicamente, ritmo e ouvido. Os irmãos destacam que todo sino deve ser batizado e abençoado antes do uso, ganhando, assim, um nome.

Os irmãos Rodrigo, Alessandro, José Giovani, Fábio e Luiz Eduardo, que já foi sineiro, são bem afinados na missão. Alessandro William da Silva, de 37, sacristão da catedral, afirma que técnica é outro componente fundamental. Ele considera o toque mais bonito o da Festa da Boa Morte – Trânsito e Assunção de Nossa Senhora, em 14 de agosto. No último dia de novena, véspera da festa, os sinos repicam, de hora em hora, “Senhora é morta!”, somente na torre esquerda da catedral, em quatro sinos. O repique é realizado até o Glória da Missa da Assunção de Nossa Senhora, no dia 15. Será o mundo dos sineiros masculino? A resposta bate na tecla da “força”, mas uma lenda antiga ainda fala grosso. Dizem os antigos que se o cabelo da mulher batesse no sino ele trincava.

Ao ouvir os sons vindos da torre, os visitantes se encantam. O casal de arquitetos Rinaldo Reis e Suzana Mota, de São Paulo (SP), falou a Laura, de 11, e Vitória, de 5, sobre a importância desse tesouro de Minas, já reconhecido como Patrimônio Imaterial pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “Eles estão para o século 18 e 19 como o telefone celular está para o nosso tempo”, comparou Suzana.

Dias de matraca. Em São João del-Rei, há 27 modalidades diferentes de toques, incluindo avisos de missas, chamada de irmãos, Natal e outros. A cidade resguardou o toque canônico, determinado pelo sínodo ocorrido na Bahia, em 1720 – ano das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia –, mas também incorporou, com o tempo, alguns motivos leigos, que partiram dos escravos. “Os sinos só se calam no período de quinta-feira santa após a missa das 18h até o glória da vigília pascal no sábado à tarde. Nesses dias, só matraca”, explica o secretário da Confraria de Nossa Senhora da Boa Morte, músico e estudioso do tema, Aluízio José Viegas, de 72 anos. “E em alguns dias, como a festa da padroeira, em 12 de outubro, domingo de Ramos, Natal e Ascensão, não se toca o dobre fúnebre.”

São João del-Rei, entre as cidades brasileiras e coloniais mineiras, foi a que mais conservou antigas tradições, e Viegas cita como principais as solenidades religiosas, litúrgicas e paralitúrgicas, música sacra em sua prática de coro e orquestra e toques de sinos, em suas múltiplas modalidades rítmicas. Ele lembra que no passado quase todas as cidades do país tinham no toque dos sinos o seu meio de comunicado mais usado. “As igrejas e capelas podiam prescindir de alfaias ricas e prataria, mas nunca dos sinos, mesmo que pequeno e apenas um. Eram o elo do clero com os fieis leigos e suas vozes de bronze congregavam, com facilidade, toda a comunidade”, afirma.

Peças - Em Minas, segundo as autoridades eclesiásticas e do patrimônio, não se sabe o número exato de sinos: seria como contar as estrelas do céu, tal a infinidade de campanários, ermidas de fazendas, capelinhas de povoados e outros monumentos. Mas é possível saber como se dá o nascimento das peças de bronze. Na sua oficina, no Bairro Colônia do Marçal, José Edivaldo Ribeiro da Silva, de 57 anos, pai de cinco filhos, recria, na prática, a beleza da forma, a qualidade do som e a magia que envolve o repicar dos sinos. E tem prazer em trabalhar num esquema totalmente artesanal. Funde, no cadinho, as ligas de cobre e estanho, para obter o bronze, molda a peça numa caixa enterrada no chão, retira as rebarbas e faz os arremates com a suas ferramentas. O filho Cleiton, de 35, já é craque no assunto e auxilia o pai no cotidiano.

Natural do Tocantins, Edivaldo chegou a Minas aos seis anos, passando a residir em São João del-Rei em 1974. Técnico em metalúrgica, começou a fabricar sinos como quem encara um desafio, e hoje faz peças que pesam de 1kg a 600kg. O sineiro conta que aprendeu a trabalhar admirando as torres das igrejas antigas. “Compreendi que um som puro é determinado pela liga e pela espessura do sino. Os existentes em São João del-Rei são mesmo diferentes, devido ao material usado nos séculos 18 e 19. Para o som ficar mais agudo, é preciso elevar a quantidade de estanho; e para torná-lo grave, deve-se baixá-lo”, ensina.

A construção do sino é processo longo e demorado, está bem próxima de uma “gestação”. Na primeira etapa, Edivaldo faz a liga de cobre e estanho, para formar o bronze. Num cadinho, derrete o cobre e depois adiciona o estanho também derretido e espera uma semana para que o resultado fique perfeito. Na etapa seguinte, é preciso colocar o molde (de alumínio) dentro de uma caixa, que fica enterrada. A partir da chamada liga-mãe, feita na fase anterior, Edivado faz nova fundição, juntando níquel. Chega a hora de fazer o “vazamento”, despejando o bronze para dar forma ao sino.

Depois de alguns dias enterrado, o sino se encontra em estado bruto, pronto para ser lapidado e receber o acabamento. Com cuidado, Edivaldo leva a peça para a oficina. Nesse local, ele passa a lixadeira para tirar os excessos e dar polimento.

Os tempos modernos não aposentaram os instrumentos de bronze. Na terra do zebu, Uberaba, a 472 quilômetros de Belo Horizonte, a Fundição Artística de Sinos (Fasu) da cidade tem 30 anos de experiência e trabalha sob encomenda, tendo como maiores fregueses padres, donos de fazendas, prefeituras e outros. O encantamento pelas peças vem da fé e do gosto pela arte, diz José William da Silva, filho do proprietário, José Donizetti da Silva, que iniciou as atividades em São Paulo. A empresa tem um tipo de sino com música, que, conforme José William, não tem a ver com equipamentos eletrônicos. “O som sai do próprio sino, por um sistema em que o martelo é acionado de forma eletromecânica”.

Sensibilidade – Um friozinho gostoso já domina as manhãs da primeira vila, cidade e diocese de Minas. No outono de céu azul, a luz solar realça ainda mais as belas construções coloniais de Mariana, entre elas a Câmara, as igrejas de São Francisco e Nossa Senhora do Carmo e a Catedral da Sé, no Centro Histórico. Perto dali, na Rua Dom Silvério, conhecida como “dos Artistas”, fica o casarão onde mora a professora emérita da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) Hebe Rôla. Na quarta-feira, com seu charme habitual – chapéu combinando com a bolsa e o casaco beges –, ela saiu cedo para fazer o que mais gosta: falar aos estudantes. Dessa vez, o assunto era um dos preferidos: a linguagem dos sinos, que estuda desde a década de 1980 e ao qual dedicou um livro para a criançada: Bem-te-sino.
A obra fala de um bem-te-vi que queria ser um sino de Mariana, cidade que também conserva esse velho sistema de comunicação entre a Igreja e a população. E, para encantar ainda mais os estudantes, a professora carrega, para as suas palestras, todos os personagens do livro – em forma de brinquedos. Na Escola Estadual Dom Benevides (de tempo integral), as turmas do 1º ao 5º ano ficam de olhos grudados e ouvidos atentos para não perder uma explicação sequer da professora. Para começar, ela convocou, especialmente, os integrantes da centenária Sociedade Musical União XV de Novembro, que tocam um trecho de Os sinos de minha terra, do compositor marianense Aníbal Walter.

Bronze - Na antiga Vila Rica, uma curiosidade chama logo a atenção de quem sobe à torre da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, no Centro Histórico. Os sinos do século 19 trazem inscrições em latim, gravadas na bacia, apontando a sua função –“É uma particularidade”, diz o diretor do Museu de Arte Sacra, Carlos José Aparecido de Oliveira, o Caju. Na torre, ele mostra o sino da Irmandade de Santo Antônio, onde se lê: Fugo flumina. Festa decoro. Laudo Deum verum. Defunetus ploro. Congrego clerum. Populum voco, que se traduz por “Anuncio incêndios, espanto tempestade e intempéries. Alegro e decoro as festas. Louvo o Deus verdadeiro. Choro os que morrem e falecidos. Congrego e reúno o clero. Chamo e convoco o povo para as preces”.

Caju conta que os três sinos do campanário do Pilar estão rachados, “tocando ainda por teimosia”. Na igreja de Nossa Senhora do Carmo, perto da Praça Tiradentes, no Centro Histórico, está o maior sino de Minas, e que, como todos os demais, tem nome de batismo: Elias, diz o sacristão Jovelino Teodoro da Silva, de 70, que já tocou muitas vezes esse monumento de Ouro Preto. Elias pesa 1,5 tonelada. A palavra sino vem de “signo” que quer dizer sinal. Ao longo dos tempos, representa uma comunicação do homem com Deus”, explica o pesquisador cultural Chiquinho de Assis, autor da dissertação de mestrado Postes, pernas e panelas – Relato etnográfico da prática sineira em Ouro Preto, defendida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Chiquinho de Assis conta que a linguagem dos sinos está presente também em cidades como Congonhas, Catas Altas, Serro e Diamantina. Nessa última, revela, há uma característica: “Os sinos não se movimentam, permanecem o tempo todo parados, mesmo durante os dobres”.

Por Gustavo Werneck, do Estado de Minas

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger