quinta-feira, 12 de abril de 2012

EX-SEDE DE FUNDO DE INVESTIMENTOS DO MADOFF MINEIRO É ARROMBADA


Thales Maioline
o Madoff mineiro
A casa onde funcionou o escritório da fundo de investimentos Firv Financeira criado pelo empresário Thales Emanuelle Maioline, em Araçuaí (Vale do Jequitinhonha) foi arrombada, sendo levadas as janelas e uma porta. Maioline, que ficou como conhecido como “Madoff Mineiro” – numa alusão ao ex-operador da Bolsa de Wall Street Bernard Madoff, é acusado de ter causado um prejuízo de aproximadamente R$ 100 milhões a mais de 2 mil investidores de 14 cidades mineiras em meados de 2010. Detido em 16 de dezembro de 2010, ele está preso na Penitenciária Nelson Hungria.

O imóvel onde a Firv funcionou em Araçuaí está entre os bens de Thales Maioline e dos seus familiares que foram bloqueados pela Justiça após várias vítimas do golpe terem ajuizado ações, tentando serem ressarcidas dos prejuízos que tiveram. A casa fica localizada na esquina das ruas José Antonio Araújo e Brasília, na Vila Magnólia, próximo ao Centro de Araçuaí. Foram arrancadas quatro janelas e uma porta (lateral) de madeira (estilo colonial).

O arrombamento, que teria acontecido na semana passada, até a tarde de ontem não tinha sido registrado em boletim de ocorrência pela Polícia Militar de Araçuaí. “Ainda vou verificar”, disse o tenente Gilamárcio da Silva, comandante do destacamento da PM na cidade. Ninguém viu quem entrou no imóvel. “Deve ter sido gente que eles (Thales e seus familiares) ficaram devendo", opinou uma moradora.

A casa está fechada desde julho de 2010, quando estourou o golpe do “Madoff Mineiro”, denunciado através de reportagem do Estado de Minas. O imóvel tinha sido adquirido por Thales Maioline meses no primeiro semestre daquele ano por R$ 175 mil. Antiga proprietária é a mulher de um ex-prefeito do município.

Maioline e outras três pessoas foram denunciados pela prática dos crimes de estelionato, formação de quadrilha e uso de documento falso. O grupo, que atuava em 14 cidades, captava recursos de investidores sob a promessa de altos rendimentos – algo em torno a 5% ao mês, uma rentabilidade quase impossível no longo prazo. O dinheiro captado junto aos novos investidores servia para remunerar os antigos, no esquema de “pirâmide”.

A defesa do “Madoff Mineiro” entrou um pedido de habeas corpus junto ao Superior Tribunal de Justiça (STF). Mas, o pedido foi negado no final de março.



Fonte: Estado de Minas



Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger