segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

CAPELINHA COMPLETA 99 ANOS DE HISTÓRIA


A decadência da mineração em Minas Gerais, ao final do século XVIII, foi um dos fatores que desencadearam a expansão do povoamento do território mineiro. Assim, no limiar do século XIX, muitos eram os que vendiam parte de seus escravos na região de Minas Novas para se internarem pelas matas nas adjacências de Alto dos Bois e Vales dos rios Doce e Mucuri, com o objetivo de aí se estabelecerem com fazendas de criação de gado e lavouras em geral.


No início do século XIX, Manuel Luiz Pego se instalou nas proximidades de um córrego localizado no atual município de Capelinha e que hoje tem o seu nome. As terras que pretendia ocupar, em uma grande extensão, faziam limites com outras terras ocupadas pelos índios Aranãs, do ramo Botocudos, amplamente espalhados pelo vale do rio Doce.

Em 1808, estando no Brasil, D. João VI (rei de Portugal) instituiu uma lei declaratória de guerra ofensiva contra a nação dos índios Botocudos, com a finalidade de exterminá-los e explorar as riquezas existentes em suas terras. Para tanto o rei criou Divisões Militares em todo o vale do rio Doce e perseguiu cruelmente as tribos. Acuados, os índios debandaram-se em direção principalmente do Mucuri e Jequitinhonha.


A família Pego, para sair das áreas de conflito, construiu na Fazenda do córrego Areão uma capela dedicada a Nossa Senhora da Graça.

As pessoas da região começaram então a denominar a fazenda de Capelinha de Nossa Senhora da Graça ou Senhora da Graça da Capelinha.

Muitos moradores foram se mudando para as proximidades, fazendo nascer o arraial, que se desmembrou de Minas Novas, em 1911. A instalação do município, porém, só se deu a 24 de fevereiro de 1913, daí ser esta a data máxima que se comemora em Capelinha.

A história dos municípios de vários municípios da região está ligado ao povo Aranã, povos Botocudos. Habitavam os vales do Urupuca, Surubim e Itambacuri.


O fato de o meio oficial apontar a tribo Aranã como extinta constituiu até pouco tempo sério problema para os seus atuais descendentes, por terem que provarem que efetivamente o são em processo de reconhecimento como grupo etnicamente legítimo e dotado de direitos perante as leis do país. A Diocese de Araçuaí uniu-se ao Conselho Indígena Aranã para, juntamente com outras entidades e pessoas, resgatar o passado dessa tribo, tendo-se conseguido o seu reconhecimento em 2003 como autêntico povo aranã pela FUNAI.

Em Capelinha, o termo Aranãs é usado para intitular clube social, time de futebol, rádio, café, gráfica, escritório de contabilidade e armazém, tendo sido também, no passado, nome da atual Rua Governador Valadares. Note, portanto, que, ainda que não existisse um só representante da tribo Aranã, sua memória estaria viva.

Na década de 30, os municípios eram administrados por um Agente Executivo Municipal. O primeiro Prefeito Municipal, nomeado após a Revolução de 1930, foi o senhor Jacinto José Ribeiro que desenvolveu várias obras de infra-estrutura urbana e rural. Até mesmo a construção do Aeroporto Municipal possibilitou a instalação de uma linha aérea fixa.
Transformação sócio-econômica

Nas décadas de 70 e 80, houve uma mudança econômica e social no município. A Florestal Acesita (atual Aperam Bioenergia) instalava projeto de produção industrial de plantio de eucalipto, com grande aquisição de terras e liberação de “terras devolutas”.  Foram gerados cerca de 5 mil empregos diretos.

Quase imediatamente, a lavoura cafeeira recebeu investimentos de empresários do sul de Minas e São Paulo.

A atividade econômica municipal passou a ser polarizada pela silvicultura e cafeicultura. O intenso negócio de propriedades rurais fez subir o valor comercial das terras. O comércio em geral se dinamizou, proporcionando também novas oportunidades de emprego. Houve um considerável êxodo da população do campo para a cidade, em sua maior parte desfazendo-se das propriedades para viver do trabalho assalariado.

O apelido de “Cidade do Café” atribuído a Capelinha se disseminou rapidamente, no mesmo ritmo do crescimento e ampliação da cafeicultura no município. Em 1980, já havia 5 milhões de pés produtivos, em uma área plantada de 2.176 hectares. Atualmente, o município possui 6 mil hectares de plantação de café, com uma produção aproximada de 120 mil/sacas/ano. Há cerca de 40 pequenas torrefações. A produção cafeeira é vendida em grãos para exportação.

Possui um microclima ideal não só para a cultura do cafeeiro, mas também para várias outras como: frutas, milho, feijão, hortaliças, mandioca, cana e pastagem. A feira livre aos sábados é um bom exemplo disso, por ser uma das maiores da região e onde são comercializadas  centenas de produtos trazidos das comunidades rurais pelos agricultores.

O município possui diversas categorias de produtores, sendo que a grande predominância é de agricultores familiares. Possui ainda cerca de 20  fabriquetas de  doce de leite, queijo, requeijão e iogurte;  indústrias caseiras de alimentos que trabalham com farinha de milho, de mandioca e polvilho, fabricação de rapadura, cachaça e açúcar mascavo. Além disso, no município existem umas  40 torrefações de café.

A transformação de Capelinha e o seu crescimento populacional se deu de forma vertiginosa. Em 1.970,  o IBGE apontava o município com 19.646 habitantes, sendo 15.214 na zona rural e apenas 4.432 na cidade. 40 anos depois, o IBGE assinala o total de 34.796 habitantes, com 24.749 na cidade e 10.047 habitantes na zona rural.    Um incremento de habitantes de 20.317 habitantes na cidade.

Há um verdadeira revolução na vida e nos costumes da população capelinhense, com  o advento da Acesita , atual Aperam, e da lavoura cafeeira. O êxodo rural foi tão grande, que já no início da década de 80 havia na cidade um bairro inteiro de população tipicamente operária, formada por trabalhadores da Acesita e das lavouras cafeeiras.
A cidade cresceu num ritmo acelerado, alcançando os planaltos e se estendendo em novos bairros.
O comércio diversificou-se em casas de revenda de materiais para construção, ferragens e ferramentas, serrarias, serralherias, oficinas mecânicas, bares, lanchonetes, casas de diversão noturna.

A feira livre aos sábados já não era suficiente para cobrir a demanda por alimentos. Prolifera, então, um grande número de supermercados e mercearias que revendem gêneros trazidos da CEASA, em Belo Horizonte.

Os agricultores que viviam na condição de posseiros, proprietários, pequenos empregadores e agricultores familiares entraram em demanda com as empresas reflorestadoras que se diziam proprietárias de terras "devolutas" habitadas por dezenas de anos por seus ancestrais.

Ao serem expulsos da terra, submeteram-se na cidade à condição de inquilinos e consumidores de gêneros comprados nos supermercados com o dinheiro de seu trabalho assalariado.

O poder público pressionado vê-se forçado a batalhar por recursos destinados a obras de infra-estrutura e de serviços cuja demanda sofrera enorme pressão: água canalizada, rede de esgoto, eletricidade e telefone. O crescimento populacional decorrente do afluxo de pessoas não só do campo, mas também de municípios vizinhos e de outras regiões do estado e do país passa a exigir serviços como hotelaria, mais escolas e creches para as crianças de mães operárias.

Localização

Capelinha localiza-se na região nordeste de Minas Gerais, no Alto Jequitinhonha, no nordeste de Minas. Possui uma área de 966 Km2, estando a sede municipal nas coordenadas geográficas de 17º 44’ 53” de latitude e 42º 31’ 07” de longitude, numa altitude de 948 m.

CAPELINHA
Total da População 2010
Total de Homens
Total de Mulheres
População Urbana
População Rural
34.796
17.144
17.652
24.749
10.047
100%
49,27%
50,73%
71,13%
28,87%








Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger