segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Almenara : Romaria das Águas e da Terra de celebra a luta pela vida no campo

  
foto_romaria_boletim_2“Nossa mãe terra, Senhor, geme de dor noite e dia. Será de parto essa dor ou simplesmente agonia”. Foi esse o sentimento dos quase 15 mil romeiros da 15ª Romaria das Águas e da Terra, que aconteceu dia 28 de agosto, em Almenara (MG). Na Romaria, estiveram presentes os indígenas, quilombolas, trabalhadores rurais com e sem terra, movimentos e pastorais sociais de diversas dioceses de Minas Gerais, além de romeiros e romeiras do estado.


Organizada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Pastoral dos Migrantes, Cáritas Diocesana de Almenara e pela diocese de Almenara, este momento único de encontro e fé foi marcado principalmente pela denúncia da morte da sociedade atual, excludente, racista e concentradora, e pela perspectiva do nascimento de uma sociedade justa, fraterna e igualitária.


Sob o tema “Lutas populares a serviço da Vida no campo”, caminhando pela cidade, os romeiros clamavam que “se o campo não planta, a cidade não janta”, em oração pela agricultura familiar camponesa e contra a sociedade consumista e materialista, que subjuga a vida em favor do lucro.

foto_romaria_boletim

Em frente ao rio Jequitinhonha, símbolo do povo do Vale, os romeiros e romeiras receberam a imagem de São Francisco trazida de sua margem. Todos refletiram sobre a desigualdade entre os povos e o monopólio do bem precioso que é a água, em contradição com o lema da Romaria: “Terra e água: Dádiva de Deus, garantia de Vida”. Também foram denunciados os despejos de esgoto de diversas cidades que ficam às margens do rio Jequitinhonha, o que tem contaminado o rio e diminuído as condições de vida gerada por ele.
 
Muitas faixas delatavam a morosidade do INCRA, a violência no campo, as lutas do povo camponês, indígenas e quilombolas. Frei Gilvander, da CPT, afirmou que as monoculturas e os monopólios são satânicos e o consumismo e o modelo de desenvolvimento que vivemos é contrário ao projeto de Jesus Cristo.

Muitos foram os mártires que, como Jesus, entregaram a vida nessa luta

Seguindo em procissão, mais uma vez os romeiros pararam na ponte sob o Rio Jequitinhonha, que corta a cidade de Almenara, fincando a cruz, símbolo da entrega máxima pela justiça e pela vida do povo.

foto_romaria_boletim_3

Em seguida, os nomes dos cinco mártires do massacre de Felisburgo foram chamados e o povo respondeu presente, em sua memória de luta que permanece viva. Jorge Ribeiro, um dos sobreviventes do massacre, relembrou a história de horror vivida pelas famílias do Assentamento Terra Prometida, ao serem cassadas pelo fazendeiro Adriano Chafik, simplesmente por assumirem terras devolutas que são do povo por direito. Ainda hoje este crime não teve punição para o verdadeiro culpado.

A Romaria encerrou no estádio municipal com missa celebrada pelos bispos das dioceses de Almenara e Teófilo Otoni. Emocionado, Oscarino Aguiar, do Sindicato de Porteirinha, se sentiu orgulhoso por participar desse momento: “Tanta gente gostaria e deveria estar aqui. Nós somos privilegiados por participar desse momento de fé e luta”, disse.

Fonte: CNBB

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger