quarta-feira, 27 de julho de 2011

Turismo solidário é uma alternativa para ajudar cidades com baixo IDH

A moeda de troca por hospedagem e recepção é a solidariedade.

Do GU (Globo)



Turismo Solidario - Dafny (Foto: divulgação)Dafny (à direita): diferencial está na solidariedade
(Foto: Divulgação)
Em pleno berço de cidades históricas brasileiras, a adoção de uma forma responsável de turismo promete dar certo: o turismo solidário. Voltado para comunidades com atrativos turísticos de relevância, mas também com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o programa tem uma proposta simples, onde o visitante, em troca de hospedagem e recepção, oferece uma habilidade, um conhecimento ou algo de interesse para a população local. “Pode ser uma palestra, uma consulta, o diferencial é a solidariedade”, explica a aluna de Turismo da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Dafny Ferrarez, que está se especializando na área.

A participação direta deste turista ajuda a transformar a realidade da comunidade. “O programa não visa somente quem hospeda, mas também a comunidade local. O turista convive com os moradores e tem a possibilidade de compartilhar, é uma troca mútua entre turista e morador local”, explica ela.
Em Minas Gerais, o projeto começou em julho de 2004, com a definição de pilotos: Serro (que inclui os distritos de Milho Verde e São Gonçalo do Rio das Pedras, além da localidade de Capivari) e São Gonçalo do Rio Preto. “Buscaram a sensibilização, mobilização e capacitação dos atores locais,  além do desenvolvimento e promoção dos produtos turísticos”, explica Dafny. No ano seguinte, foi possível incluir outros seis municípios das regiões norte e nordeste de Minas: Diamantina (distrito de Mendanha e São João da Chapada), Couto de Magalhães de Minas, Grão Mogol, Turmalina, Chapada do Norte e Minas Novas.
Turismo Solidário -MG (Foto: divulgação)Comunidade recebe curso de capacitação para
hospedar turistas (Foto: Divulgação)
Para receber os visitantes, as famílias locais participaram de cursos de capacitação, decidindo se queriam ceder ou não suas casas para hospedagem. Mesmo quem preferiu não hospedar pode ser beneficiado. “Qualquer pessoa pode chegar a uma dessas comunidades e se tornar um turista solidário”, assegura Dafny.
No entanto, há obstáculos para avançar mais. O site do programa, por exemplo, não oferece reserva online. A alternativa para quem estiver interessado é usar o site para localizar as comunidades interessadas e, a partir daí, entrar em contato com as prefeituras locais para conseguir mais informação sobre os procedimentos.
Site Turismo Solidário: http://www.turismosolidario.com.br

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    0 comentários:

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger