sexta-feira, 30 de novembro de 2012

SELO UNICEF: APENAS 7 MUNICÍPIOS DO JEQUITINHONHA RECEBERAM A CERTIFICAÇÃO



Em Minas, 28 cidades cumpriram com todos os requisitos estabelecidos pela entidade para preservar a qualidade de vida de crianças e adolescentes. Apenas sete municípios do Vale do Jequitinhonha receberam a certificação.

O Selo Unicef Município Aprovado avalia três eixos: Impacto Social; Gestão de Políticas Públicas e Participação Social. O Unicef- Fundo das Nações Unidas para a Infância-   divulgou a lista dos municípios mineiros que vão receber a certificação internacional. Araçuaí não consta da relação.

Em Minas, 28 cidades cumpriram com todos os requisitos estabelecidos pela entidade para preservar a qualidade de vida de crianças e adolescentes. Apenas sete municípios do Vale do Jequitinhonha receberam a certificação.

O resultado do Selo Unicef Município Aprovado,  foi divulgado na tarde de quinta-feira (29), em Brasília.

Nesta edição da premiação, as 28 cidades mineiras foram certificadas por terem apresentado evidências da evolução da qualidade de vida das crianças e adolescentes em suas respectivas regiões. Os vencedores foram anunciados pelo representante do Unicef no Brasil, Gary Stahl.

Pela terceira vez seguida, desde que a certificação foi adotada no Brasil, as cidades de Cônego Marinho, Montalvânia, Ponto dos Volantes e Taioberias receberam a condecoração internacional do Unicef.

Claro dos Poções, Espinosa, Itacarambi, Monte Azul, Montes Claros, Ninheira, Pai Pedro, Pirapora e Turmalina ganharam a distinção pela segunda vez.

Capelinha, Capitão Enéas, Francisco Badaró, Franciscópolis, Gameleiras, Jordânia, Lontra, Mata Verde, Minas Novas, Montezuma, Novorizonte, Padre Paraíso, Pedra Azul, Pedras de Maria da Cruz e São João da Ponte também tiveram suas ações em prol da criança e do adolescente reconhecidas pelo órgão internacional.

Todos os municípios são das regiões Norte e do Vale do Jequitinhonha.

O número de cidades do Estado aptas a receber a certificação saltou de 17, em 2008, para 28, em 2012.

Nesta edição, cerca de 23% das cidades mineiras inscritas (123) conquistaram a condecoração, índice de aprovação acima da média nacional.

De posse da distinção, os municípios poderão aplicar o Selo em seus materiais de divulgação, prédios, veículos e eventos, dando mais visibilidade e credibilidade às suas ações.

“O resultado é reflexo de uma ação positiva e prioritária no Vale do Jequitinhonha. O trabalho focado, realizado em parceria com o Estado e os municípios, trouxe avanços, sobretudo para a assistência social, saúde e educação, com base na formação de gestores públicos”, enaltece o coordenador do escritório da Unicef para São Paulo e Minas Gerais, Silvio Kaloustian.

Municípios receberão  prêmio

Governo de Minas, por meio do decreto nº 45.200/2009, destinará, em 2013, troféu e prêmio de R$ 1 milhão aos municípios contemplados com o Selo.

O valor será rateado em partes iguais entre as cidades e deverá ser investido no Plano de Ação Municipal de Execução de Políticas de Atendimento à Criança e ao Adolescente.

O Selo Unicef Município Aprovado avalia três eixos: Impacto Social; Gestão de Políticas Públicas e Participação Social.

A metodologia combina capacitação de gestores municipais, melhoria dos mecanismos de gestão local e ampla mobilização social.

A iniciativa é um desmembramento do Pacto Um Mundo para a Criança e o Adolescente do Semiárido, assinado em 2004 pelos governadores dos estados participantes.

Minas em ação

Ao aderir ao Pacto, o Governo de Minas criou o Comitê Gestor Estadual para a Criança e o Adolescente do Semiárido Mineiro, constituído por decreto estadual e composto por oito secretarias de governo, associações de municípios, organizações não-governamentais, conselhos estadual, universidade, organismo internacional e dois adolescentes.

Também foi preciso que o prefeito de cada município assinasse um termo de adesão e garantisse o funcionamento do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

As ações da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) no combate à pobreza na região do semiárido também foram determinantes para que os resultados fossem alcançados. Alguns exemplos são o programa Travessia e a campanha Proteja Nossas Crianças.
Lista dos 28 Municípios Certificados Minas Gerais

Cod IBGE
UF
Municipio



GANHOU SELO 2009/2012
GANHOU SELO 2007/2008
GANHOU SELO 2005/2006
3112307
MG
Capelinha
1


3112703
MG
Capitão Enéas
1


3116506
MG
Claro dos Poções
1

1
3117836
MG
Cônego Marinho
1
1
1
3124302
MG
Espinosa
1
1

3126505
MG
Francisco Badaró
1


3126752
MG
Franciscópolis
1


3127339
MG
Gameleiras
1


3132107
MG
Itacarambi
1
1

3136504
MG
Jordânia
1


3138658
MG
Lontra
1


3140555
MG
Mata Verde
1


3141801
MG
Minas Novas
1


3142700
MG
Montalvânia
1
1
1
3142908
MG
Monte Azul
1

1
3143302
MG
Montes Claros
1

1
3143450
MG
Montezuma
1


3144656
MG
Ninheira
1
1

3145372
MG
Novorizonte
1


3146305
MG
Padre Paraíso
1


3146552
MG
Pai Pedro
1
1

3148707
MG
Pedra Azul
1


3149150
MG
Pedras de Maria da Cruz
1


3151206
MG
Pirapora
1

1
3152170
MG
Ponto dos Volantes
1
1
1
3162401
MG
São João da Ponte
1


3168002
MG
Taiobeiras
1
1
1
3169703
MG
Turmalina
1

1

ESCOLA ESTADUAL DE MINAS NOVAS ESTÁ ENTRE AS 10 PIORES DO ENEM EM MG


Escola Estadual Francisco Soares Silva, situada na comunidade de Cansanção, em Minas Novas-MG, é a 10º pior escola, segundo avaliação do ENEM.


Defasagem no aprendizado é uma das justificativas para resultado ruim.

O Ministério da Educação divulgou na última quinta-feira (22), as notas por escola do Exame Nacional do Ensino Médio realizado no ano passado (Enem 2011). Três instituições de Januária, no Norte de Minas, estão entre as 10 piores notas do estado. A Escola Estadual Simão Vianna da Cunha Pereira, situada na área urbana da cidade, foi a segunda colocada no ranking. Ela ocupa também a 26ª pior nota do país.

Em entrevista ao G1, a diretora da instituição informou que o resultado ruim já era esperado. “Nós prevíamos isso, porque a maioria dos alunos, que tentaram a prova, são oriundos de programas de aceleração de aprendizagem e apresentam dificuldade para aprender”, disse Maria de Fátima Vanderlei Guedes. Ainda de acordo com ela, 40% dos 898 estudantes matriculados, estão defasados no aprendizado. “Muitos chegam aos anos finais sem saber ler, interpretar ou realizar cálculos corretamente”, ressalta.

Aluna Pamela Tavares (Foto: Marina Pereira / G1)
Dentro de sala de aula, os professores tentam mudar essa realidade. “A carga de analfabetismo é muito grande. Fazemos de tudo para ensinar e nivelar o conhecimento entre os alunos”, destacou a professora de biologia, Elza Prates de Oliveira. O número de desistência também é significativo. Dos 52 alunos matriculados no 3º ano do ensino médio em 2012, 13 já abandonaram os estudos.

Genivaldo Torres Farias, de 19 anos, está no último ano do ensino médio. Nesse ano, ele tentou o Enem pela primeira vez. Para o estudante, as dificuldades na resolução das questões foram muitas. “Os textos eram grandes e exigem uma boa interpretação. Achei muito difícil a prova”.

Saber interpretar pode ser um dos fatores decisivos no resultado final da avaliação. Pamela Tavares, de 18 anos, também fez a prova. Diferentemente da maioria dos alunos, ela disse que não sentiu muita dificuldade. “Eu leio muito por isso tive mais facilidade na hora de interpretar”, explica a estudante.

Intervenção pedagógica

Para mudar a realidade das escolas foi implantada desde 2004 uma intervenção pedagógica, que tem acompanhado de perto o desenvolvimento dos alunos, através de aulas direcionadas.

Segundo a diretora Educacional da Superintendência Regional de Ensino de Januária, Denise Aparecida Franco, o resultado desse plano só vai aparecer ao longo dos anos. “Esperamos obter frutos positivos nas próximas avaliações”.

Ela disse ainda, que o baixo índice no Enem está ligado a uma série de fatores. “Muitas são escolas pequenas, localizadas em áreas rurais com dificuldade de acessibilidade. Os nossos alunos são bem diversificados, alguns vieram da rede municipal e apresentam dificuldade no aprendizado”, explica.
Dezenove municípios fazem parte da Superintendência Regional de Ensino de Januária, o que corresponde a um número de 54.689 alunos em 136 escolas.

Conheça as 10 escolas de Minas Gerais com menores médias:

1º - Escola Estadual Dr. Alfredo Castelo (Além Paraíba) – Média: 396,97
2º - Escola Estadual Simão Viana da Cunha Pereira (Januária) – Média: 403,57
3º - Escola Estadual Felipe Dias Correa (Januária) – Média: 404,109
4º - Escola Estadual Anísio Esaú dos Santos (Baependi) – Média: 404,96
5º - Escola Estadual de Cruz dos Araújos (Cônego Marinho) – Média: 409,96
6º - Escola Estadual Maria Rosa Nunes (Januária) – Média: 410,57
7º Escola Estadual de Candeal (Cônego Marinho) – Média: 410,61
8º- Escola Estadual São Sebastião de Poções (Montalvania) – Média: 412,90
9º Escola Estadual Professora Leonor Esteves Lima (Setubinha) – Média: 414,47
10º - Escola Estadual Francisco Soares Silva (Minas Novas) – Media: 419,14

Fonte: G1 Minas

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

CAPELINHA-MG: UMA INICIATIVA QUE VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS



A imagem abaixo foi "pescada" no perfil do Facebook de Gelson J. Cardoso. É um aviso "informando" sobre a "proibição" de pescar nas lagoas que se formaram dentro dos buracos do Anel Rodoviário de Capelinha.

Detalhe na placa: "AVISO - PROIBIDO PESCAR NESTA ÁREA"

Enquanto isso, a comunidade capelinhense aguarda uma solução definitiva para o problema seja lá de quem for a responsabilidade. Ano após ano, é isso que acontece no A.R. em temporadas de chuva. Parabéns a quem teve a iniciativa do protesto! Ações desse tipo devem acontecer sempre que a população se sentir prejudicada.

SEMINÁRIO DA UFVJM EM ARAÇUAI-MG DEBATEU IMPLANTAÇÃO DE CURSOS


Com uma participação ativa dos estudantes do ensino médio de escolas da cidade, o Seminário contou também com a presença de professores, técnicos, empresários e lideranças políticas locais e regionais, com representação de 10 cidades.

O seminário foi realizado no auditório do IFNMG. Foto: Blog do Banu
O Seminário “Vocações regionais e desenvolvimento”, organizado pelo Movimento a UFVJM é nossa!, teve debates acalorados sobre a concepção de campus universitário, cursos a serem implantados e exploração das potencialidades regionais.

Os cursos de Engenharia, principalmente Engenharia de  Minas, Hídrica e Geologia, são os preferidos pela maioria dos participantes do evento realizado dia 26 de novembro, no campus do IFNMG, em Araçuaí.

Com uma participação ativa dos estudantes do ensino médio de escolas da cidade, o Seminário contou também com a presença de professores, técnicos, empresários e lideranças políticas locais e regionais, com representação de 10 cidades.

As inscrições de participantes chegaram a  cerca de 400 pessoas.

Na parte da manhã, houve palestras do reitor da UFVJM – Universidade Federal dos Vale do Jequitinhonha e Mucuri, Pedro Ângelo de Abreu, do deputado federal Reginaldo Lopes, de professores universitários da UFMG, UFVJM e UFV.

A abertura do Seminário foi feita pelo diretor do IFNMG, campus Araçuaí, Pedro Mota.

Como representante do Movimento A UFVJM é nossa! Álbano Silveira Machado falou sobre a história da UFVJM, uma luta de mais de 30 anos, a criação da Nossa Universidade no Governo Lula, as grandes manifestações populares no Vale em protesto à criação de campus em Unaí e Janaúba, a inclusão de criação de campus em Capelinha, Araçuaí e Almenara e as novas tarefas do Movimento para a real implantação de campus  nas três cidades, o mais breve possível.

Ele propôs que o Reitor da UFVJM, Pedro Ângelo, publique em breve, Edital apara doação de terrenos dos campi de Capelinha, Araçuaí e Almenara e de Audiência Pública para a escolha oficial dos cursos a serem instalados em cada unidade universitária.

Respaldados com estes dois documentos, seriam apresentado os projetos técnicos de campus ao MEC e realizado pressões políticas para a liberação de recursos financeiros e humanos pelo Governo Federal para a instalação e funcionamento dos campi.

Cursos

Mário Fonseca, professor da UFV – Universidade Federal de Viçosa, expôs sobre os cursos de engenharia e as potencialidades regionais.

Natural de Virgem da Lapa, ele falou da ausência de infraestrutura regional e nacional, das grandes riquezas minerais encravadas no subsolo do Vale e do grande desafio de convivência no semiárido devido às dificuldades de captação de água para consumo doméstico e para a produção agropecuária.

Destacou os cursos de Engenharia de Minas e Geologia como fundamentais para formar profissionais e desenvolver pesquisas de tecnologias na exploração de minerais e pedras preciosas abundantes no Vale e em Minas Gerais.

Ressaltou a importância da Engenharia Hídrica nos estudos, pesquisas e usos da água no semiárido brasileiro, considerando este um dos principais cursos a serem implantados no campus m Araçuaí.

O professor José Renan da Cunha Melo, do curso de Medicina da UFMG, falou da emoção em retornar à sua terra natal, Araçuaí. Como membro de comissão especial do MEC para instalação de cursos de Medicina no país, relatou os grandes investimentos necessários para a criação de cursos na área de saúde e as dificuldades em mantê-los.

O Reitor da UFVJM, Pedro Ângelo de Abreu, fez uma exposição sobre a Nossa Universidade, destacando o objetivo estratégico em se tornar uma das maiores universidades do país, com o compromisso de contribuir com o desenvolvimento sustentável dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri, norte e noroeste de Minas. Ele frisou que é necessário gestões políticas junto ao MEC para que recursos financeiros e humanos sejam liberados para a efetivação do campus

O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), dissertou sobre a necessidade de reformulação do ensino médio, da formação tecnológica e da expansão e interiorização de universidades no Brasil, nos governos Lula e Dilma.

Ele disse que está solidário na luta pela implantação de campus em Araçuaí, Capelinha e Almenara, assim como na instalação de unidades do Instituto Federal de Educação Tecnológica em outras cidades do Vale.

Ele propôs que os três campi (Araçuaí, Almenara e Capelinha) deveriam ter, inicialmente, 5 cursos de ciências afins.

Assim, cada campus poderia ser de Engenharia, Ciências Sociais Aplicadas, de Saúde ou de Licenciatura, por exemplo. Que esta proposta seja discutida de forma solidária, sem concorrências entre as novas unidades, mas que sejam complementares em atender às carências de formação universitária na região.

O deputado afirmou que com a aprovação oficial dos cursos, escolhidos pela população, e a doação dos terrenos à UFVJM, a nova expansão de criação de Universidades e campus a ser anunciada pela Presidenta Dilma poderia contemplar as unidades universitárias de Araçuaí, Capelinha e Almenara. Colocou que esta autorização poderia se dar até 2015.

O professor Leonel, da UFVJM, campus Mucuri, fez uma explanação sobre a importância de controle social sobre as Universidades, e era isso que acontecia com o Movimento do Jequitinhonha.  Denunciou a falta de mais de mil professores de física, química e matemática na educação básica nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, tendo necessidade de cursos de licenciatura na região.

À tarde, os participantes do Seminário apontaram a área de engenharia como a preferida para implantação de cursos no campus Araçuaí.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

TRABALHADORES DE USINA DO VALE PARALISAM ATIVIDADES EM CAPINÓPOLIS-MG


Motivo foi o atraso no pagamento dos salários. Condições de trabalho também estão entre as reclamações dos operários.

Operários disseram que pagamento do salário 
sempre atrasa (Foto: Reprodução/TV Integração)
Trabalhadores de uma usina de álcool e açúcar localizada há 20 quilômetros de Capinópolis, no Triângulo Mineiro, paralisaram as atividades e se concentraram em frente a empresa como forma de protesto, nesta quarta-feira (28). Várias questões motivaram a paralisação e entre elas está o atraso no pagamento dos salários.

De acordo com o trabalhador rural, Odair José dos Santos, a paralisação teve início logo no começo do expediente, quando os operários cruzaram os braços. "Todo vencimento de quinzena precisamos parar para poder receber. Caso contrário, o salário não sai", revelou.

A paralisação envolveu os empregados que trabalham no corte da cana. A maioria deles saiu do Vale do Jequitinhonha, como é o caso de João Gomes. Ele afirmou que a família está passando fome no Norte do estado, já que o salário não está sendo enviado mensalmente. "Eles passam dificuldade, pois o pão sai daqui e não estou conseguindo enviar o dinheiro já que não estamos recebendo", contou o trabalhador.

Funcionários de outras categorias decidiram aderir ao protesto no meio do período da manhã. Este foi o caso do motorista Milton dos Reis. "Como alguém que paga aluguel, prestação de carro e alimentação vai sobreviver?", questionou.

Além do pagamento dos salários em dia, os manifestantes cobraram melhores condições de trabalho e de moradia. Muitos reclamaram que estão vivendo em condições sub-humanas por causa da precariedade dos alojamentos, além de falhas na assistência médica aos trabalhadores que ficam doentes. "A água está suja de óleo diesel, besouros, baratas", contou o trabalhador rural José Roberto Viana.
Uma comissão de trabalhadores com apoio de entidades como Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg) e Cut vai participar de uma reunião com representantes da empresa. A reunião será realizada a portas fechadas e nenhum diretor está autorizado a falar sobre o assunto. A empresa apenas informou que não há previsão para o término da reunião.

Do G1 Triângulo Mineiro

CHAPADA DO NORTE-MG: TERRA DAS RIQUEZAS CULTURAIS


O Rotary Club de Campinas Alvorada representado pelo seu Presidente 2012-2013 Oduvaldo Luiz de Camargo e o Companheiro Guto Arruda fez uma visita a cidade de Chapada do Norte em Minas Geraisonde desenvolve o Projeto Permanente Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário - Chapada do Norte que junto com voluntários e autoridades locais desenvolvem atividades de incentivo e desenvolvimento humano na comunidade local. Logo teremos a matéria completa sobre a visita. Enquanto isso, conheça um pouco mais sobre a Chapada do Norte num texto extraído do site da Prefeitura Municipal de Chapada do Norte em Minas Gerais:

Pelas ruas estreitas e charmosas do Antigo Arraial de Santa Cruz, surgido em 1728, a arte colonial se sobressai. Conhecer Chapada do Norte é conhecer sua história e vivenciar sua cultura. Impossível não se encantar com seu, acervo histórico-cultural, sua forma, seus casarios antigos e suas Igrejas do século XVIII, como A Capela de Nossa Senhora do Rosário, a Igreja Matriz de Santa Cruz, a Capela de Nossa Senhora da Saúde e a Capela do Bom Jesus da Lapa do séc. XIX.


Igreja Matriz de Santa Cruz – Chapada do Norte

Grande parte desta riqueza é verificada também em suas diversas danças e cantorias, os Grupos Folclóricosexistentes em todo o município, as comunidades remanescentes de Quilombo e as várias festas religiosas – culturais que acontecem durante o ano, destacando-se aTradicional Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.


Atrações culturais é que não falta na cidade, são muitos os saberes do povo deste lugar, como a comida típica, os meios de produção rural, sem falar no artesanato reconhecido e valorizado nacionalmente. Este é um município de uma extensão territorial vasta, de um povo que guarda em cada canto um encanto e uma identidade tão expressiva e complexa.

Como se vê, são muitos os motivos para visitar Chapada do Norte.

via Rotary Club

terça-feira, 27 de novembro de 2012

TETO DE ESCOLA DESABA EM VIRGEM DA LAPA-MG


O teto da parte externa da Escola Municipal Professora Diva em Virgem da Lapa no Vale do Jequitinhonha, desabou na tarde desta segunda-feira (26/11/12).


Só não aconteceu uma tragédia porque devido a chuva, os alunos não saíram para o pátio no intervalo, justamente no momento do desabamento, disse a professora Neusa Rodrigues Batista da rede municipal de ensino.

A professora Neusa Rodrigues relata sua preocupação: "Sou professora e me preocupo com tudo isso é o nosso dever de colegas e amigos.

Agora é preciso pedir que os engenheiros observem bem antes fazer qualquer tipo de construção principalmente local onde frequenta várias crianças temos que trabalhar com responsabilidade e não só pelo dinheiro – completa a servidora.

Fonte: Blog Virgem da Lapa

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

SALINAS-MG REINAUGURA ESPAÇO PARA CINEMA E TEATRO


Resgate de parte da cultura com reabertura do Cine Teatro João Costa.

Na noite dessa sexta-feira, dia 23.11, a Prefeitura de Salinas,  através do prefeito José Prates, em parceria com a Fundação de Cultura, reinaugurou uma das principais ferramentas da tradição local: o Cine Teatro Salinas João Costa, que homenageia um baluarte da Cultura salinense. Vários familiares do saudoso João Costa estavam presentes.

A sala foi amplamente reformada e ganhou ar condicionado, aparelhagem de projeção Full HD e som de boa qualidade, além de tela adequada para imagem de alta fidelidade. O piso é carpetado na cor púrpura.


A inauguração lotou as 284 cadeiras e o público assistiu ao filme “A vida é bela”, vencedor de três Oscar.

O ambiente também é adaptado para apresentações de peças de teatro.

O município de Salinas fica no Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas, distando 112 km de Araçuaí, 210 km de Montes Claros e 620 km de BH.

Fonte: Folha Regional, via Blog do Banu

PRORROGADAS AS INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROJETO VALE DO JEQUITINHONHA


Associação de Desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha (ADVJ) informa aos interessados em participar do “Projeto Vale do Jequitinhonha” que se encontram abertas as inscrições para o processo de seleção de Bolsistas para 2013.  A ADVJ é uma entidade civil, de personalidade jurídica, apartidária, sem fins lucrativos e vínculos religiosos, dedicada à promoção de atividades sócio-educacionais e culturais no Vale do  Jequitinhonha.  A  Associação foi fundada  em  2002, com  a  proposta  de  planejar  e  executar  o  projeto “Vale  do  Jequitinhonha”.
O que é o Projeto? 

Projeto Vale do Jequitinhonha nasceu em 1999, por iniciativa da Associação Pré-Federal, com o intuito de criar oportunidade para que jovens do Vale possam ingressar em Universidades Públicas ou particulares através do Programa PROUNI. Este ano serão concedidas até 16 bolsas que dão direito a gratuidade na matrícula, mensalidade e material do curso pré-vestibular. Cabendo ao bolsista arcar com as despesas de moradia, alimentação, transporte e outras despesas pessoais.

Quem Pode Participar? 

O Projeto visa a beneficiar jovens naturais do vale do Jequitinhonha ou residentes na região por período igual ou superior a dez anos. Para participar do processo seletivo o candidato deverá atestar que sua condição socioeconômica atende as exigências dispostas no edital anexo, através de documentos correspondentes aos quesitos requeridos para a avaliação.  Como o projeto é sediado em Belo Horizonte, aqueles candidatos menores de dezoito anos, aprovados no processo seletivo, deverão apresentar uma declaração registrada em cartório contendo a autorização dos pais ou responsáveis para que o mesmo faça parte do projeto – o modelo segue anexo.

Como é o processo Seletivo?

Para participar do processo seletivo os interessados deverão ler o edital, preencher as informações requeridas pelo formulário de inscrição e enviar e enviar até o dia trinta de novembro para Associação de Desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha, Praça Raul Soares n° 08 apartamento 202, CEP: 30180030, Centro, Belo Horizonte. 

O processo seletivo constitui-se de duas etapas sendo uma delas realizada em Belo Horizonte, na qual a equipe de coordenadores do projeto avaliará os documentos a fim de averiguar se a classificação socioeconômica dos inscritos está de acordo com o exigido pelo edital. Os inscritos cuja documentação não estiver de acordo com as exigências serão desclassificados. A segunda etapa é realizada em alguma cidade do Vale, e consiste em um encontro com a presença dos candidatos e coordenadores com o objetivo de ter um conhecimento prévio dos futuros bolsistas. O candidato que não estiver presente nesse encontro também será desclassificado. A equipe de coordenadores divulgará o resultado após a realização de cada etapa no seguinte blog: www.blog-advj.blogspot.com.br. Maiores Informações no e-mail:advj.valeviver@gmail.com.

PARA BAIXAR O EDITAL CLIQUE AQUI

PARA BAIXAR O FORMULÁRIO CLIQUE AQUI 

Caso não consiga baixar os arquivos entre em contato pelos e-mails: advj.valeviver@gmail.com.

Via BLOG ONHAS

domingo, 25 de novembro de 2012

APENAS 11 CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA RECEBERÃO RECURSOS DO FUNDO ESTADUAL DE CULTURA

Os projetos contemplados estão na categoria "Patrocínicio", ou seja, não reembolsáveis.


Minas Novas será beneficiada com R$ 20 mil para
o resgate do ofício em cerâmica
Secretaria de Estado de Cultura (SEC), por meio da Superintendência de Fomento e Incentivo à Cultura, divulgou na quarta-feira (21), no Diário Oficial do Estado, a relação de projetos artístico-culturais contemplados pelo Edital 01/2012 do Fundo Estadual de Cultura (FEC).

O programa incentiva a atividade cultural do Governo de Minas Gerais, por meio de patrocínio e financiamento de projetos que encontram dificuldade em captar recursos no mercado, com prioridade para o interior de Minas Gerais. 

O resultado pode ser acessado no site www.cultura.mg.gov.br.

Dos 436 projetos inscritos, foram aprovados 126 na modalidade “Liberação de Recursos Não Reembolsáveis” (patrocínio) e 4 recomendados na modalidade “Financiamento Reembolsável” (financiamento), que ainda estão sujeitos à apreciação do BDMG.

Do total de aprovados, 103 são oriundos do interior.

Do Vale do Jequitinhonha, foram aprovados 11 projetos das seguintes cidades, na modalidade patrocínio( não reembolsável): 

Não houve projetos da região na categoria "Financiamento".

1-Prefeitura Municipal de Minas Novas- R$ 20 mil para o resgate do ofício em cerâmica
2- Grupo Feminino Itaobinense- R$ 15 mil- para o batuque Grufemi
3- Prefeitura Municipal de Ponto dos Volantes-R$ 70 mil para realização da Feira de Artesanato de Santana do Araçuaí
4- Prefeitura Municipal de Virgem da Lapa- R$ 25 mil para a Festa dos Homens Pretos
5-Prefeitura Municipal de Jequitinhonha- R$ 25 mil para o 9º Festival de Quadrilha de Jequitinhonha
6- Prefeitura Municipal de Coronel Murta – R$ 15 mil para a Cultura Popular de Itaporé
7-Associação Minasnovense de Promoção ao Lavrador e a Infância da Área Rural-Minas Novas- R$ 60 mil para o 2º Violarte
8- ONG Vokuim – Rubim- R$ 17 mil para o projeto Os Meninos e o Boi
9- Prefeitura Municipal de Diamantina- Aquisição de Infraestrutura de Iluminação Cênica para o Cine Santa Izabel – R$ 42 mil
10- Associação Jenipapense de Assistência à Infância- AJENAI- R$ 50 mil- para a 3ª Mostra Cultural de Jenipapo de Minas
11- Instituto Milho Verde – Serro- R$ 30 mil para o Tradições Vivas no Centro Cultural Milho Verde.
  
De Belo Horizonte foram aprovados 23 projetos artístico-culturais considerando a modalidade Não Reembolsável. Já a modalidade Financiamento Reembolsável, foram 3 projetos de Belo Horizonte e 1 projeto do interior.
Estão sendo disponibilizados R$ 6,5 milhões para os projetos selecionados na modalidade “Liberação de Recursos Não Reembolsáveis” e R$ 3,344 milhões para os selecionados na modalidade “Financiamento Reembolsável”.

Fundo Estadual de Cultura

Criado em 2006 pela Lei Estadual 19.975, o Fundo Estadual de Cultura já disponibilizou mais de R$ 75 milhões para financiamentos e patrocínios de projetos artístico-culturais, aprovando 575 projetos de 227 cidades mineiras. Seu objetivo é o repasse de recursos para projetos culturais que tradicionalmente encontram dificuldade na captação de recursos no mercado.

Na modalidade “Liberação de Recursos Não Reembolsáveis”, o valor é repassado diretamente à entidade proponente do projeto, por meio de patrocínio, não havendo necessidade de devolvê-lo ao Poder Público. Podem inscrever projetos nessa modalidade entidades públicas ou entidades de direito privado sem fins lucrativos.

Já na modalidade “Financiamento Reembolsável”, a entidade receberá os recursos por meio de financiamento do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), sendo que o valor recebido deverá ser devolvido ao banco de acordo com as regras e juros estabelecidos pelo mesmo. Nessa modalidade, podem participar entidades de direito privado, com ou sem fins lucrativos.

Fonte: Agência Minas

Minas Novas-MG, aguardem o 2° VIOLARTE - Festival de Cultura Popular de Minas Novas!
Resgate das raízes...
Viva a cultura!

Blogger Themes

2leep.com

 
Powered by Blogger