segunda-feira, 11 de junho de 2012

MINAS NOVAS: POPULAÇÃO SOFRE COM O TRÂNSITO DE VEÍCULOS


Aumento do número de veículos, falta de estacionamento, má sinalização e educação no trânsito são alguns dos maiores problemas.

A população de Minas Novas, Vale do Jequitinhonha, sofre com o trânsito local, que já não suporta o número de veículos que circulam no centro da cidade. Com o aumento do poder aquisitivo, que resultou no aumento da frota de veículos da cidade, aliado à falta de estrutura que a cidade enfrenta, as principais avenidas da cidade ficam com o trânsito lento, principalmente no horário de pico, que é o horário que os inúmeros ônibus da zona rural deixam a cidade e durante o horário comercial.


Por ser uma cidade bicentenária, Minas Novas tem o agravante de ter avenidas estreitas que em alguns pontos chegam a ser a única ligação entre bairros, como o caso da Av. Delfim Moreira, que liga o centro ao Bairro Saudade. Na altura do nº155, em frente ao INSS, no lugar conhecido popularmente como “garganta” há um estreitamento da avenida, que é a única ligação entre o centro e os novos bairros da cidade. No carnaval, por exemplo, quando o trio elétrico está próximo a este local, caso haja a necessidade de prestar socorro a uma pessoa, infelizmente o atendimento seria prejudicado, em muito, tendo em vista ser esta a única via que leva ao hospital da cidade.


Há alguns anos a Prefeitura local tenta desviar o fluxo do centro aos Bairros Becã e Dom Bosco por uma via alternativa, mas o que se vê há muito tempo é somente a abertura de algumas ruas, mas sem a conclusão definitiva das obras.

Estacionamento

Outro problema enfrentado é quando se precisa estacionar no centro da cidade. Ficou tão difícil de estacionar, principalmente em frente dos comércios, que os próprios comerciantes utilizam de cones em frente ao seu estabelecimento comercial. Cada coloca uma certa quantidade de cones em frente ao seu comércio para que este possa realizar a carga e descarga no estabelecimento, evitando que o próprio cliente o cidadão possa estacionar no local. Esta é uma prática comum, porém não permitida pela legislação de trânsito. Segundo o especialista em trânsito, Sérgio Ejzenberg “Privatizar o espaço publico é irregular e é punível pela prefeitura”.


Uma solução no centro seria a criação de estacionamento em diagonal, como realizado em frente à Câmara Municipal recentemente. Onde cabiam normalmente dois ou três veículos, hoje se estaciona até sete carros. Este estacionamento seria muito útil em locares como na Praça Sebastião Leme do Prado, em frente à Prefeitura, já que na parte superior da rua, onde deveria ter fluxo de veículos, é totalmente impedido para estacionamento, sendo consenso até mesmo pela polícia militar que ali se pode estacionar. Outros locais como na Praça Olegário Maciel e Praça Sebastião Leme do Prado (sentido correios), poderiam receber estacionamento em diagonal.

Melhorias

Uma das melhorias recentemente implantadas pela Prefeitura foi na própria Avenida Delfim Moreira, do trecho entre a Policlínica Municipal Domingos Mota e a Matercon, onde ficou permitido o estacionamento em alguns trechos, fazendo com que sempre haja vagas em pelo menos um dos lados da avenida. Implantar este tipo de sinalização organizou o fluxo de veículos, mesmo que diminuindo o número de locais de estacionamento. Falta ainda a conscientização da população, que persistem em estacionar em locais proibidos.

Eventos

Trânsito quando da realização da Sexta-Cultural
Outro tumulto que a cidade enfrente é quando da realização da sexta cultural. Sempre na primeira sexta-feira de cada mês, quando é realizado o evento, desde a preparação até o acontecimento da festividade o tráfico na praça de maior cirulação de veículo fica intransitável, tendo em vista que neste local se concentra o Correios, Banco do Brasil, Prefeitura, Secretarias Municipais, Fórum, além do comércio em geral.

Uma das alternativas seria a mudança do local do evento, que poderia ser transferido para a praça Dr. Badaró, local onde aconteceu o Festival Vale Cantar, que conta com espaço amplo, com pouco trânsito de veículos, sem falar no conjunto arquitetônico próximo ao local, como o Sobradão e Casarão da Família Badaró, que abrilhantaria ainda mais o evento. Outro local pouco explorado e que seria viável é a Praça da Gruta, que tem boa estrutura, com palco, espaço amplo e trânsito mais tranqüilo que no centro da cidade. Para a população minasnovense e de cidades vizinhas, fica a esperança de melhoras significativas no trânsito local.

Sobre o Autor: Bernardo Vieira
  • Perfil Completo
  • Website | Google+ | Twitter | Facebook
    Bernardo Vieira

    Sou mais um apaixonado pelo Vale do Jequitinhonha e suas riquezas. Venho, através deste blog, tentar expandir a cultura do vale, bem como trazer novidades e coisas úteis em geral. Formado em Administração pela UFLA - Universidade Federal de Lavras e Funcionário Público Estadual (TJMG). contato pelo email: nabeminasnovas@yahoo.com.br ou bernardominasnovas@hotmail.com.

    2 comentários:

    Anônimo disse...

    Não é só aí não amigo!
    Não me canso de falar sobre isso, pois os governantes deveriam se precaver pois futuramente será bem mais difícil para resolver.
    Em 2010 o IBGE fez o censo da frota de veículos de todas as cidades mineiras onde podemos perceber:

    Capelinha - pop. 34,803
    Frota de veículos - 10.536 (estes, somente os registrados na cidade)

    Itamarandiba - pop. 32.175
    Frota de Veículos - 8.627 (somente registrados na cidade) - Também sofre como Minas Novas, por ser uma cidade Tricentenária, tem ruas estreitas e pouco estruturadas, congestionamentos estão sendo constantes nos horários de pico.

    Minas Novas - pop. 30.794
    Frota de Veículos - 4.143 (somente registrados na cidade)

    Em 5 anos a frota teve um aumento de:

    Capelinha - aprox. 52% ( em 2005 haviam 5.436 veículos)

    Itamarandiba - aprox. 54% (em 2005 haviam 4.623 veículos)

    Minas Novas - aprox. 46% ( em 2005 haviam 1.880 veículos)


    Se o governo não fizer algo para a urbanização adequada nestas cidades, os prejuízos serão muito maiores no futuro, pois atropelamentos e acidentes sempre tendem a crescer com a frota de veículos, ainda mais no rítmo acelerado em que se encontra esse crescimento.

    Anônimo disse...

    o que precisa são as pessoas andarem menos de carro , é normal trabalharem a 500 metros de casa e irem de carro , deixando o dia inteiro na rua , inclusive tomando sol .E a falta de educação no trânsito é o que mais agrava a situação.Quanto a sexta cultural , só os organizadores é que não perceberam o mal que estão fazendo .

    Postar um comentário

    As opiniões expostas nos comentários não refletem as do autor do Blog.Não serão aceitos comentários ofensivos, de baixo calão.

    Blogger Themes

    2leep.com

     
    Powered by Blogger